Claude Levi-Strauss – Mitológicas Vol. III: A Origem Dos Modos À Mesa
Publicado pela primeira vez em 1968 e finalmente disponível em português A Origem Dos Modos À Mesa é o terceiro volume da tetralogia Mitológicas, obra de fôlego que Claude Lévi-Strauss dedicou à análise estrutural dos mitos dos povos ameríndios.
Em A Origem Dos Modos À Mesa, o autor concentra-se nos códigos de civilidade, abordando temas fundamentais como a reflexão sobre a moralidade ameríndia, a digressão sobre a passagem do mito ao romance e o projeto de uma etnologia culinária.
Enquanto O Cru E O Cozido e Do Mel Às Cinzas trazem mitos da América do Sul, A Origem Dos Modos À Mesa avança em direção às planícies da América do Norte.
O autor adverte no entanto que a leitura prévia dos outros volumes não é obrigatória, já que sendo a terra dos mitos redonda, não importa o ponto de largada, chegaremos aos mesmos lugares. Os mitos se transformam obedecendo a princípios estruturais comuns.
Embora seu início possa parecer abrupto, A Origem Dos Modos À Mesa, como os dois outros que o precedem, forma um todo.
Para lê-lo em primeiro lugar, basta saltar o preâmbulo de seis linhas que remete a Do Mel Às Cinzas, e passar diretamente para o mito amazônico com o qual a investigação principia, em seguida.
Este mito, de número 354, servirá efetivamente de fio condutor na medida em que não o deixaremos de lado até o fim da obra, na qual lhe cabe o papel de mito de referência.
Ocupa, assim, uma posição estratégica, comparável à do primeiro mito com cuja análise começava O Cru E O Cozido, que também a perseguia até o final.
É possível que o mito dos índios Tukuna que fornece o argumento de A Origem Dos Modos À Mesa seja de leitura até mais apropriada para o leitor iniciante.
Pois nenhum outro, parece-me, foi por nós analisado de modo tão aprofundado, adotando várias perspectivas, sucessivas ou simultâneas — textual, formal, etnográfica, semântica…
Nesse sentido, a primeira parte de A Origem Dos Modos À Mesa tem um alcance didático. A partir de um exemplo preciso, ela permite iniciar-se em nosso método, familiarizar-se progressivamente com seus procedimentos e julgar-lhe os méritos pelos resultados.
Mas há mais. Seguindo passo a passo o desenrolar de um mito, atingem-se vários outros que o esclarecem e permitem perceber os elos orgânicos que os unem entre si.
E, porque o universo mitológico de uma sociedade, ou de um conjunto de sociedades próximas pela geografia e pela história, sempre forma um conjunto fechado, encontram-se obrigatoriamente no final os mitos com cuja análise a investigação havia começado.

 

Camisa “E Viva A Diferença!”

Deixe uma resposta