Lucas Monteiro Dos Santos – Narrativas Do Rock And Roll

A seguinte obra aborda sobre o rock and roll e fenômenos que venham se contextualizar com essa temática, a exemplo do uso dos espaços pelos fãs

Lucas Monteiro Dos Santos – Narrativas Do Rock And Roll: Sociabilidades, Liminaridades E Performances

A seguinte obra aborda sobre o rock and roll e fenômenos que venham se contextualizar com essa temática, a exemplo do uso dos espaços pelos fãs e das formas de sociabilidades que são encontradas nesses espaços em que os eventos acontecem.

Aborda-se sobre os processos históricos deste estilo musical, elemento fundamental para sua compreensão, e também sobre o moshpit, performance corporal da plateia que está completamente associada à experiência de se participar de um evento de rock and roll.

Pesquisas de campo ocorreram na cidade de Goiânia, Goiás, e foram executadas narrativas de como acontecem os eventos e de como ocorre a performance do moshpit. O caminho metodológico utilizado foi dos estudos em performances culturais, que são coerentes com a temática abordada.

É possível concluir que o ambiente que vem à tona quando esses eventos são executados é repleto de liminaridades e de liberdade, e que todo esse contexto ético e estético de rock and roll, moshpit e performance vem de um conjunto de comportamentos restaurados e de um conhecimento incorporado por parte das pessoas que integram esse cenário e esses ambientes.

A territorialidade de sua proposta, que é a de colocar na cena do rock mundial a performatização no contexto goiano, a partir da opção da construção de uma performance rock and roll, no contexto da espacialidade cultural do cerrado, especificamente, do Centro Cultural Martim Cererê.

Ainda pouco se escreveu e se analisou sobre essa espacialidade cultural em Goiânia, Estado de Goiás, e menos ainda, sobre a performatividade produzida sobre o rock and roll nestas paragens.

Lucas Monteiro se jogou “moshiptianamente” nessa empreitada. E ao fazê-lo, nesta obra que hoje contemplamos, não só nos apresenta uma percepção da recepção do rock and roll pela juventude goiana, historicamente, mas percebe as peculiaridades de uma proposta estética intermidiática, como é a de expressão da corporeidade do Moshpit, da qual ele era partícipe e aqui se transforma em analista participante.

Luiz Guimarães Gomes De Sá – Songbook De Frevos Vol. I

Este Songbook contém as partituras de frevos consagrados, para que estudantes e profissionais da música intensifiquem e perpetuem nossa identidade cultural

Luiz Guimarães Gomes De Sá – Songbook De Frevos Vol. I

Um ritmo rápido e sincopado, cativante aos primeiros acordes e extremamente contagiante. Eis certamente a descrição de um dos mais genuínos produtos pernambucanos, o Frevo.

Nascido no Recife, ainda no princípio deste século e, segundo o saudoso Mário Melo, rebento da polca-marcha tocada pela Banda da Brigada Militar de Pernambuco sob a batuta do Capitão Zuzinha, o Frevo já foi por nós exportado para os quatro cantos do mundo.

Não há turista que, tendo por aqui passado, deixasse de levar em sua memória os acordes dos Mestres Lourenço da Fonseca Barbosa, o Capiba, Nelson Ferreira, Edgard Moraes, Duda e tantos outros, associados à imagem da alegria pernambucana e de um passista executando uma tesoura ou um parafuso.

Mais do que divisas econômicas provenientes do turismo, o Frevo tornou-se a marca inconfundível de um povo alegre e caloroso, mesmo com as dificuldades enfrentadas no seu dia-a-dia.

Próximo às comemorações do seu centenário, o Frevo enfrenta os mesmos desafios que o nosso povo, de se afirmar em um mundo cada vez mais sem fronteiras físicas e de comunicação acelerada e massificada.

Cabe, então, às nossas instituições e a pessoas abnegadas como o musicólogo Luiz Guimarães, criarem as condições para a demarcação da fronteira cultural pernambucana, permitindo a conservação e o desenvolvimento do Frevo e de outras manifestações culturais nativas, conservando os valores e fortalecendo a unidade dos pernambucanos.

Um importante passo é a publicação deste “Songbook”, contendo as partituras de frevos consagrados, para que estudantes e profissionais da música, ou simples apreciadores, intensifiquem e perpetuem nossa identidade cultural.

Este primeiro Songbook De Frevostem como principal objetivo registrar na memória cultural de Pernambuco parte do que de melhor existe em composições que abrilhantaram as melhores épocas do nosso carnaval, representando através de suas linhas melódicas, harmônicas e poéticas, aquilo que se constitui a essência do nosso ritmo maior – o Frevo.

Inegavelmente, o trabalho foi árduo, verdadeiro desafio, pois compilar todas essas músicas, procurando conferir espaço para os inúmeros talentos que temos não foi nada fácil considerando-se, também, a quantidade de belas composições sendo, contudo, a etapa mais difícil a escolha daquelas que iriam constar deste primeiro volume.

Este Songbook procura consolidar frevos de n/a, bloco e canção e, por conta de dificuldades com algumas editoras, renomados compositores não estão inseridos nesta primeira edição.