Vera Portocarrero (Org.) – Filosofia, História E Sociologia Das Ciências

Filosofia, História E Sociologia Das Ciências representa o crescimento e a profissionalização da área de história das ciências em nosso país.

Vera Portocarrero (Org.) – Filosofia, História E Sociologia Das Ciências: Abordagens Contemporâneas

Coletânea preciosa não somente para os especialistas, mas para todo aquele que pretende se iniciar na pesquisa e se interrogar sobre a natureza da ciência, seus desafios e seus problemas fundamentais.

Filosofia, História E Sociologia Das Ciências reúne diversos especialistas do Brasil e da França na busca de contemplar as “diversas vertentes de pensamento que constituem a fundamentação do atual debate sobre as ciências”, em artigos que questionam as relações das ciências, das técnicas e da sociedade, não de um ponto de vista estritamente “positivista” ou “dogmático”, mas com enfoque histórico-crítico.

E mais: são respeitadas as diferentes perspectivas dos autores, mesmo as conflitantes, por considerar esta ótica não uma contradição, mas uma riqueza a ser oferecida aos leitores.

Não se pretende uma apresentação exaustiva das diferentes abordagens, nem uma resenha sistemática do conjunto da obra dos autores selecionados, mas sim um exercício instigante de leituras originais e tematização de questões que certamente suscitarão novos debates.

Os autores realizam uma dupla tarefa de divulgação e produção de conhecimento, sem dúvida, a melhor demonstração da vitalidade que se anuncia para esta área.

O lançamento de Filosofia, História E Sociologia Das Ciências traz, portanto, múltiplos significados. Representa, entre outros indicadores, o crescimento e a profissionalização da área de história das ciências em nosso país, que acompanha, ainda à distância, seu impressionante desenvolvimento em âmbito internacional.

Filosofia, História E Sociologia Das Ciências é fruto, também, de diretrizes institucionais. É significativo que este livro tenha sido escolhido para integrar o lançamento da Editora da Fundação Oswaldo Cruz.

A FlOCRUZ elegeu a reflexão abrangente sobre as ciências como uma prioridade que se tem traduzido em diversas iniciativas de suas unidades técnico-científicas.

Há uma clara consciência na intuição sobre a necessidade dessa reflexão não apenas para as atividades acadêmicas, mas para a própria compreensão do sentido de seu projeto e inserção social.


Suzani Cassiani & Outros (Orgs.) – Olhares Para O ENEM Na Educação Científica E Tecnológica

Olhares Para O ENEM Na Educação Científica E Tecnológica coloca em diálogos diferenças, aprofundando a pluralidade das educações em ciências & tecnologias.

Suzani Cassiani & Outros (Orgs.) – Olhares Para O ENEM Na Educação Científica E Tecnológica

Este livro é apenas um dos produtos de um trabalho que reuniu durante pouco mais de dois anos, cerca de 40 pessoas, entre docentes orientadores e formadores universitários, estudantes de mestrado e doutorado dos programas de pós-graduação em Educação da UFSCar, em Ensino e História de Ciências da Terra da Unicamp e em Educação Científica e Tecnológica da UFSC, estudantes em Iniciação Científica, a maioria de licenciaturas em Biologia, Física, Química e Geografia, e professores das redes públicas de ensino de diferentes cidades do Estado de São Paulo e de Santa Catarina, dos ensinos fundamental e médio.

Reunimo-nos para pensar, na diversidade, um objeto em comum: as questões do Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM.

A diversidade e a riqueza das situações de trocas, produção e compartilhamentos de saberes experienciadas ao longo desses dois anos são indescritíveis, infelizmente impublicáveis.

Estudantes de Iniciação Científica e professores da rede produzindo materiais e estratégias de ensino em conjunto; estudantes de pós-graduação expondo seus projetos de pesquisa em andamento para professores da educação básica ou produzindo também o ensino em conjunto; professores de educação básica expondo seus projetos de ensino aos licenciandos e pesquisadores; um seminário de dois dias inteiros com a presença de praticamente todos os participantes das três universidades e de todas as escolas envolvidas, com apresentação de painéis, comunicações orais e oficinas de metodologia de pesquisa; três videoconferências mediando a interação virtual entre as três universidades; debates e trocas de material bibliográfico e de dados em um ambiente virtual TelEduc (Unicamp) específico para o projeto; participações individuais ou coletivas e encontros agendados em eventos científicos; participações mútuas em bancas de defesa nos programas dos colegas.

Pluralidade de circunstâncias em que nos fizemos conhecer e experienciar nossos diferentes saberes, e seus diferentes modos de produzi-los, a partir de diferentes olhares, influências teóricas e “projetos”, ou até mesmo diferentes leituras das mesmas referências.

Situações que nos expuseram mutuamente à experiência de uma multiplicidade de leituras possíveis para as educações em ciências & tecnologias nas escolas.


Federico Kukso – Tudo O Que Você Precisa Saber Sobre Ciência

Tudo O Que Você Precisa Saber Sobre Ciência, de Federico Kukso, é um guia aberto e provisório para viver e entender o século XXI.

Federico Kukso – Tudo O Que Você Precisa Saber Sobre Ciência

Antes de se perder em uma cidade desconhecida, qualquer turista gosta de ter um guia ou um par de informações básicas para se orientar – e aproveitar melhor o novo. Nós somos turistas e a ciência é essa cidade desconhecida.

Somos rotineiramente bombardeados com informações sobre novas descobertas e avanços científicos – mas, muitas vezes, não conseguimos nem dar a devida importância por não compreendermos o que eles significam.

Para que serve uma impressora 3D? Por que os astrônomos fazem tanta festa quando detectam um planeta fora do nosso Sistema Solar? O que aconteceu com o Projeto Genoma Humano? O que representam os exoesqueletos?

A ciência que nos rodeia no dia-a-dia é a mesma que nos fascina nos filmes e seriados de fantasia e de ficção científica. Conhecer um pouco mais sobre ela vai permitir que você curta ainda mais The Big Bang Theory, Star Wars e Game of Thrones.

A ciência não é dos cientistas, é de todos. É hora de recuperar isso. Como se fosse uma língua, a única maneira de conhecê-la é mergulhar em suas palavras e conceitos, em sua gramática e suas entonações.

Devemos aprender ciência não por obrigação ou porque alguém mandou.

Precisamos saber um pouco sobre ciência para vivermos mais tranquilos: para não sentirmos náusea, não nos sentirmos desorientados, para combatermos aqueles que veem milagres, fantasmas, duendes, portais cósmicos e o fim do mundo em todos os cantos. A ciência é um antídoto contra a estupidez humana.

Tudo O Que Você Precisa Saber Sobre Ciência é um guia aberto e provisório para viver e entender o século XXI.

Federico Kukso é um jornalista argentino especializado em ciências. Estudou no Massachusetts Institute of Technology (MIT) e na Universidade de Harvard. É membro da Federação Mundial de Jornalistas de Ciências (WFSJ). Escreve para diversas publicações como a revista Scientific American e o jornal El País.


Fabio Appolinário – Metodologia Da Ciência

Escrito de forma clara e com uma sequência lógica, Metodologia Da Ciência é um guia “passo a passo” para a produção de trabalhos científicos.

Fabio Appolinário – Metodologia Da Ciência: Filosofia E Prática Da Pesquisa

Em Metodologia Da Ciência: Filosofia E Prática Da Pesquisa o leitor encontrará uma abordagem da metodologia científica que privilegia tanto os aspectos teóricos e filosóficos da ciência quanto seus aspectos práticos.

Esta segunda edição traz renovações em relação à edição anterior, como atualizações das normas da ABNT e a inclusão das normas de Vancouver para a Bibliografia.

Escrito de forma clara e com uma sequência lógica, esta obra é um guia “passo a passo” para a produção de trabalhos científicos, desde o planejamento e a elaboração de instrumentos de coleta de dados até a análise dos resultados e conclusões.

Trata-se de um texto didático simples e conciso, fruto de anos de experiência em sala de aula no ensino de metodologia científica para alunos dos mais diversos cursos e áreas do conhecimento.

Uma obra que, sem descuidar dos aspectos epistemológicos, além de uma postura crítica, nos dá de forma sintética e objetiva pistas claras que, com certeza, auxiliarão o pesquisador iniciante nas centenas de decisões que terá de tomar para realizar um trabalho com qualidade.

Mais que isso, permite que o pesquisador vá encontrando trilhas para um aprofundamento em cada aspecto da pesquisa, com a farta bibliografia que oferece. É um trabalho corajoso, de fôlego, e muito bem-vindo para ajudar o professor orientador nas situações concretas como as descritas.

Enfim, trata-se de uma obra de grande valor que, com certeza, estimulará muitos pesquisadores a sentirem prazer com a atividade de pesquisar, pois o texto é claro, didático, bem escrito, objetivo e conciso.

Obra dedicada a alunos de graduação e pós-graduação em Economia, Direito, Administração, Medicina, Enfermagem, Engenharia, Pedagogia, Física e demais cursos universitários que contemplem a elaboração de um trabalho científico que exija a apresentação das partes essenciais de um relatório de pesquisa.

Com certeza, será de grande auxílio para professores de metodologia científica, pesquisadores, orientadores de pesquisas em iniciação científica, trabalhos de conclusão de curso e de pós-graduação.


Jack Goody – O Roubo Da História

O mundo não se resume à Europa e aos países de colonização europeia. Óbvio? Talvez. Mas o fato é que nunca houve um livro como O Roubo Da História.

Jack Goody – O Roubo Da História: Como Os Europeus Se Apropriaram Das Ideias E Invenções Do Oriente

Se o Ocidente tivesse levado a sério Jack Goody, teria entendido melhor o desenvolvimento supostamente inexplicável da China, assim como o surgimento dos “tigres asiáticos” e do próprio “milagre japonês”.

O mundo não se resume à Europa e aos países de colonização europeia. Óbvio? Talvez. Mas o fato é que nunca houve um livro como O Roubo Da História.

Nesta obra, o autor critica aquilo que considera um viés ocidentalizado e etnocêntrico, difundido pela historiografia ocidental, e o consequente “roubo”, perpetrado pelo Ocidente, das conquistas das outras culturas.

Goody não discute apenas invenções como pólvora, bússola, papel ou macarrão, mas também valores como democracia, capitalismo, individualismo e até amor.

Para ele, nós, ocidentais, nos apropriamos de tudo, sem nenhum pudor. Sem dar o devido crédito. Este livro, apaixonado e apaixonante, abre uma janela para todos que querem descortinar o mundo, entre eles historiadores, antropólogos, sociólogos e jornalistas.

Pesquisador cuidadoso, dono de erudição extraordinária, acumulada em seus quase 90 anos de vida, Goody tem uma obra variada e muito respeitada. Transita por temas tão distintos como a família, o feminismo, a cozinha, a cultura das flores, o contraste entre a cultura ocidental e oriental, e até o impacto da escrita em diferentes sociedades.

E Goody analisa que certo desprezo pelo Oriente pode ainda custar muito caro ao mundo ocidental. Assim, ele acusa teóricos fundamentais, como Marx, Weber, Norbert Elias, e questiona enfaticamente Braudel, Finley e Anderson por esconderem conquistas do Oriente e mesmo por se apropriarem delas em seus escritos.

Arrasa os medievalistas que querem transformar um período violento, repressivo, dogmático e sem muita criatividade (a Idade Média) em algo simpático e palatável, só por ser, supostamente, a época da criação da Europa.

E mostra que, ao menos em termos de capitalismo mercantil, o Oriente tem sido, ao longo da História, bem mais desenvolvido do que o Ocidente. Claro que suas conclusões são polêmicas.

Mas atenção: este livro não é um simples ensaio, um trabalho apenas opinativo. Considerado um dos mais importantes cientistas sociais do mundo, Goody tem uma obra sólida, consistente, plena de informações e de comparações, reconhecida por colegas como Eric Hobsbawm, com quem estudou e trabalhou.

Neste livro recorre a pesquisas feitas na Ásia e na África (muitas realizadas por ele mesmo) para dar peso às suas teses. Assim, mesmo que se venha a discordar de alguns de seus pontos de vista, ou conclusões, temos muito a aprender com ele, principalmente como entender o mundo globalizado – e não sob uma ótica puramente econômica.