É sabido que Benjamin morreu muito cedo em 1940 em Port-Bou, na fronteira da Espanha com a França em um momento desesperador.
Não é tão fácil imaginar que, bem antes, ele tivesse passado alguns meses em um campo de concentração.
Se é difícil imaginar seus amores, mais difícil ainda é imaginar sua perplexidade quando, na juventude, perdeu um amigo, o poeta Heinle, que respondeu com o suicídio aos horrores da guerra naquele lugar tão especial que era o Lar do Espaço de Conversação onde ele convivia com outros amigos.
Desde Infância em Berlim até as Teses sobre o Conceito de história, Benjamin é apresentado no contexto das intensidades, dissabores, esperanças, da crítica e da autocrítica, das relações humanas em tempos tão difíceis como aquele entre guerras em que ele viveu e escreveu.
Assim, entre a vida e a obra de Benjamin, Witte vai costurando com um fio vermelho os olhares, os objetos, as descrições, as impressões, as cartas, os momentos vividos, os livros lidos, as línguas apreendidas, o materialismo histórico, a religião, as preocupações do pai de família que em tudo se assemelhava a Kafka, sobretudo ao seu fracasso, o todo das ideias de Benjamin, como se pudéssemos ver no grande pensador alguém que conhecemos.
Alguém que um dia possuiu o Angelus Novus de Klee, que em um momento tenso, deixou tudo para escrever um livro sobre Baudelaire, alguém que vivia encantado com o trabalho das passagens de Paris.
No entanto, por respeito a quem um dia viveu o que viveu, o biógrafo Bernd Witte não apaga as brumas que envolvem seu personagem e o aprisionam agora ao cenário fantasmático do tempo.
Fracasso, miséria, morte, recusas. A leitura de Walter Benjamin: Uma Biografia é ilustrativa do esforço de um produtor de ideias original em se fazer compreender em sua época, esbarrando-se em correntes de pensamento que, não raro, vão em direção oposta às suas.
Poderá a sua leitura servir para algum tipo de libertação para os nossos tempos novamente tão sombrios?

Deixe uma resposta