Luiz Guimarães Gomes De Sá – Songbook De Frevos Vol. I

Este Songbook contém as partituras de frevos consagrados, para que estudantes e profissionais da música intensifiquem e perpetuem nossa identidade cultural

Luiz Guimarães Gomes De Sá – Songbook De Frevos Vol. I

Um ritmo rápido e sincopado, cativante aos primeiros acordes e extremamente contagiante. Eis certamente a descrição de um dos mais genuínos produtos pernambucanos, o Frevo.

Nascido no Recife, ainda no princípio deste século e, segundo o saudoso Mário Melo, rebento da polca-marcha tocada pela Banda da Brigada Militar de Pernambuco sob a batuta do Capitão Zuzinha, o Frevo já foi por nós exportado para os quatro cantos do mundo.

Não há turista que, tendo por aqui passado, deixasse de levar em sua memória os acordes dos Mestres Lourenço da Fonseca Barbosa, o Capiba, Nelson Ferreira, Edgard Moraes, Duda e tantos outros, associados à imagem da alegria pernambucana e de um passista executando uma tesoura ou um parafuso.

Mais do que divisas econômicas provenientes do turismo, o Frevo tornou-se a marca inconfundível de um povo alegre e caloroso, mesmo com as dificuldades enfrentadas no seu dia-a-dia.

Próximo às comemorações do seu centenário, o Frevo enfrenta os mesmos desafios que o nosso povo, de se afirmar em um mundo cada vez mais sem fronteiras físicas e de comunicação acelerada e massificada.

Cabe, então, às nossas instituições e a pessoas abnegadas como o musicólogo Luiz Guimarães, criarem as condições para a demarcação da fronteira cultural pernambucana, permitindo a conservação e o desenvolvimento do Frevo e de outras manifestações culturais nativas, conservando os valores e fortalecendo a unidade dos pernambucanos.

Um importante passo é a publicação deste “Songbook”, contendo as partituras de frevos consagrados, para que estudantes e profissionais da música, ou simples apreciadores, intensifiquem e perpetuem nossa identidade cultural.

Este primeiro Songbook De Frevostem como principal objetivo registrar na memória cultural de Pernambuco parte do que de melhor existe em composições que abrilhantaram as melhores épocas do nosso carnaval, representando através de suas linhas melódicas, harmônicas e poéticas, aquilo que se constitui a essência do nosso ritmo maior – o Frevo.

Inegavelmente, o trabalho foi árduo, verdadeiro desafio, pois compilar todas essas músicas, procurando conferir espaço para os inúmeros talentos que temos não foi nada fácil considerando-se, também, a quantidade de belas composições sendo, contudo, a etapa mais difícil a escolha daquelas que iriam constar deste primeiro volume.

Este Songbook procura consolidar frevos de n/a, bloco e canção e, por conta de dificuldades com algumas editoras, renomados compositores não estão inseridos nesta primeira edição.

Jonathan Gray & Outras (Edits.) – Manual De Jornalismo De Dados

Jonathan Gray & Outras (Edits.) – Manual De Jornalismo De Dados

O que é o jornalismo de dados? Qual é o seu potencial? Quais são seus limites? De onde ele vem?

A intenção deste livro é ser uma fonte útil para qualquer um que possa estar interessado em se tornar um jornalista de dados, ou em aventurar-se no jornalismo de dados.

Muitas pessoas contribuíram na sua composição, e, através do nosso esforço editorial, tentamos deixar essas diferentes vozes e visões brilharem. Nós esperamos que ele seja lido como uma conversa rica e informativa sobre o que é jornalismo de dados, por que ele é importante, e como fazê-lo.

Infelizmente, ler este livro não vai te dar um repertório completo de todo o conhecimento e habilidade necessários para se tornar um jornalista de dados. Para isso, seria necessária uma vasta biblioteca de informações composta por centenas de experts capazes de responder questões sobre centenas de tópicos.

Felizmente, essa biblioteca existe: a internet. Ainda assim, nós esperamos que este livro possa te dar a noção de como começar e de onde procurar se você quiser ir além. Exemplos e tutoriais servem para serem ilustrativos e não exaustivos.

Nós nos consideramos muito sortudos por termos tido tanto tempo, energia, e paciência de todos os nossos voluntários, e fizemos o melhor para tentar usar isso com sabedoria. Esperamos que, além de ser uma fonte de referência útil, o livro sirva também para documentar a paixão e o entusiasmo, a visão e a energia de um movimento que está nascendo.

O livro é uma tentativa entender o que acontece nos bastidores dessa cena de jornalismo de dados. O Data Journalism Handbook é um trabalho em curso. Se você acha que há qualquer coisa que precisa ser corrigida ou está ausente, por favor nos avise para que ela seja incluída na próxima versão.

J. V. Chamary – 50 Ideias De Biologia Que Você Precisa Conhecer

J. V. Chamary – 50 Ideias De Biologia Que Você Precisa Conhecer

Por que as espécies evoluem? Como certas características passam de uma geração para outra? Todos os organismos são feitos de células? O que nos torna humanos?

Escrito pelo cientista e jornalista premiado J.V. Chamary, 50 Ideias De Biologia Que Você Precisa Conheceré o guia definitivo para essas e outras questões essenciais da biologia explicadas em 50 artigos curtos e envolventes que cobrem desde as teorias clássicas até as pesquisas mais recentes.

Dos mistérios do sexo e do sono até a seleção natural, a imunidade e a genética, 50 Ideias De Biologia Que Você Precisa Conhecerabrirá os seus olhos para os processos vitais que garantem a vida na Terra, incluindo como os genes controlam o crescimento e o comportamento dos seres vivos, como o corpo se desenvolve a partir de uma única célula e como as forças ambientais criam a diversidade de espécies através da evolução.

Por meio de conceitos-chave explicados em termos simples e com a ajuda de diagramas e linhas do tempo que mostram as principais descobertas científicas no seu contexto histórico, o mais novo livro da premiada coleção 50 ideias proporciona um panorama completo de um dos assuntos mais fascinantes, que vem assombrando cientistas ao longo dos séculos: o estudo da vida.

Em 50 Ideias De Biologia Que Você Precisa Conhecervocê encontrará conceitos como:
Evolução
Genética
Imunidade
Sexo
Vírus
Células-tronco
Origem da vida
Ecossistemas
Seleção natural
Hereditariedade

J.V. Chamary é um premiado jornalista de ciências com Ph.D. em biologia evolutiva,tendo estudado Biologia na Imperial College London e Evolução Molecular e Genética na Universidade de Bath. Durante anos, trabalhou como editor da Focus, revista de ciência popular da BBC. Hoje, escreve sobre tecnologia, natureza e cultura pop para o blog da revista Forbes, além de ser consultor de games, televisão e cinema. Ele vive em Bristol, na Inglaterra.

Northrop Frye – A Imaginação Educada

Northrop Frye – A Imaginação Educada

Este livro é uma transcrição de seis palestras dadas pelo autor a uma emissora de rádio canadense na década de 1960.

Em A Imaginação Educada, Northrop Frye discorre sobre o que é a literatura, de que adianta ensiná-la, como se deve ensiná-la – desde qual idade e começando por quais livros –, qual é o valor social, político e religioso do estudo da literatura, qual é o lugar da imaginação no processo de aprendizagem, para que outras coisas serve a imaginação, se é necessário – antes, se é possível – educá-la, e do que é capaz uma imaginação educada.

Mais do que algumas dicas para aplicar a esmo, o leitor encontrará emA Imaginação Educada toda uma concepção de ensino, de literatura e de mundo capaz de orientar um processo pedagógico desde a base.

Herman Northrop Frye (14 de julho de 1912 — 23 de janeiro de 1991) foi um crítico literário canadense, um dos mais célebres do século XX.

Nascido em Sherbrooke, Quebec, mas criado em Moncton, New Brunswick, ele passou toda sua carreira, incluindo seus dias de aluno da graduação, na Faculdade Victoria, Universidade de Toronto. Ele chegou à proeminência internacional quando ainda era estudante.

A poesia profética de William Blake há muito era considerada divagações delirantes que nunca poderiam ser entendidas. Frye encontrou nela um sistema de metáfora derivado do Paraíso Perdido e da Bíblia. Ele publicou suas descobertas como Fearful Symmetry em 1947.

Dez anos mais tarde ele expandiu sua visão, defendendo em Anatomia da crítica (Anatomy of Criticism, no original) que há certos arquétipos e símbolos usados por toda a literatura.

Seu O código dos códigos (The Great Code, no original) examinou como as cenas e imagens da Bíblia são a base de toda a literatura ocidental. Dentro desse contexto, ele analisou a novela Dão-Lalalão de João Guimarães Rosa, na qual percebeu influências bíblicas do livro Cantares de Salomão.

Ele também se ocupou de crítica cultural e social e recebeu 39 títulos honorários. Anatomia da crítica permanece um dos mais importantes trabalhos da crítica literária do século XX.

Flávio Codeço Coelho – Computação Científica Com Python

Flávio Codeço Coelho – Computação Científica Com Python: Uma Introdução À Programação Para Cientistas

Computação científica não é uma área do conhecimento muito bem definida. A definição utilizada neste livro é a de uma área de atividade/conhecimento que envolve a utilização de ferramentas computacionais (software) para a solução de problemas científicos em áreas da ciência não necessariamente ligadas à disciplina da ciência da computação, ou seja, a computação para o restante da comunidade científica.

Nos últimos tempos, a computação em suas várias facetas, tem se tornado uma ferramenta universal para quase todos os segmentos da atividade humana. Em decorrência, podemos encontrar produtos computacionais desenvolvidos para uma enorme variedade de aplicações, sejam elas científicas ou não.

No entanto, a diversidade de aplicações científicas da computação é quase tão vasta quanto o próprio conhecimento humano. Por isso, o cientista frequentemente se encontra com problemas para os quais as ferramentas computacionais adequadas não existem.

No desenvolvimento de softwares científicos, temos dois modos principais de produção de software: o desenvolvimento de softwares comerciais, feito por empresas de software que contratam programadores profissionais para o desenvolvimento de produtos voltados para uma determinada aplicação científica, e o desenvolvimento feito por cientistas (físicos, matemáticos, biólogos, etc., que não são programadores profissionais), geralmente de forma colaborativa através do compartilhamento de códigos fonte.

Algumas disciplinas científicas, como a estatística por exemplo, representam um grande mercado para o desenvolvimento de softwares comerciais genéricos voltados para as suas principais aplicações, enquanto que outras disciplinas científicas carecem de massa crítica (em termos de número de profissionais) para estimular o desenvolvimento de softwares comerciais para a solução dos seus problemas computacionais específicos.

Como agravante, o desenvolvimento lento e centralizado de softwares comerciais, tem se mostrado incapaz de acompanhar a demanda da comunidade científica, que precisa ter acesso a métodos que evoluem a passo rápido.

Além disso, estão se multiplicando as disciplinas científicas que têm como sua ferramenta principal de trabalho os métodos computacionais, como por exemplo a bio-informática, a modelagem de sistemas complexos, dinâmica molecular e etc.