Com foco na familiarização dos estudantes com o laboratório e com as peças cadavéricas, esta obra apresenta parte das conclusões da primeira etapa de uma ampla e inédita pesquisa cuja finalidade é possibilitar uma análise interpretativa dos processos de ensino e aprendizagem criados durante aulas de Anatomia Geral e Humana em cursos de Ciências Biológicas. Levando em conta aspectos históricos, sociais, científicos, psicológicos e culturais, a autora aborda temas como as concepções de morte desde os primórdios da cultura ocidental e, também, os tratamentos dados aos mortos, avaliando os ritos fúnebres às modernas técnicas científicas, além do desenvolvimento das práticas anatômicas desde a Antiguidade.
A autora analisa o problema do suprimento de material anatômico e da espetacularização das dissecações públicas, “que se mostrou fundamental no movimento de aceitação coletiva da prática anatômica”. E expõe a história do ensino da ciência anatômica no Brasil, com ênfase na influência, que persiste até hoje, das ideias do médico italiano Alfonso Bovero, estreante em 1914 da cadeira de Anatomia da futura Faculdade de Medicina da USP.

O site pede cadastro. É fácil, rápido e vale a pena.

Deixe uma resposta