O Atlas do Câncer, publicado pelo American Cancer Society reúne opiniões de especialistas, contendo a contribuição de mais de 40 autores e pareceristas.
O Atlas do Câncer, publicado pelo American Cancer Society reúne opiniões de especialistas, contendo a contribuição de mais de 40 autores e pareceristas.

Ahmedin Jemal & Outros – O Atlas Do Câncer

O Brasil é o quinto país em extensão territorial no mundo e o maior da América Latina, contando com uma população aproximada de 210 milhões
de habitantes.

Assim como em outros países de renda média – alta, as doenças crônicas não transmissíveis representam um importante ônus para a sociedade, sobretudo as neoplasias malignas, que são responsáveis por pouco mais de 15% de todas as mortes no país.

Com cerca de 600 mil novos casos por ano estimados pelo INCA (Instituto Nacional do Câncer, Brasil) para 2016, o câncer compreende a segunda causa de morte na população brasileira, ceifando a vida de 225 mil indivíduos anualmente.

A estimativa é que até os 75 anos de idade, um em cada cinco brasileiros desenvolva algum tipo de câncer. Pelo cenário apresentado, entende-se a responsabilidade dos gestores públicos e de nós mesmos, como cidadãos, no controle desta doença.

Os tumores de mama, do colo do útero e colorretal são os mais incidentes entre as mulheres brasileiras, enquanto nos homens destacam-se o câncer de próstata, de pulmão e colorretal.

Mais recentemente, em algumas regiões do Brasil, o câncer colorretal tornou-se o segundo tumor mais incidente entre as mulheres, superando os casos de câncer do colo do útero.

Este cenário traz novos desafios para os gestores públicos, haja vista que o Brasil, embora recomende o rastreamento do câncer colorretal, não tem um programa consolidado e organizado para a prevenção dessa doença.

Nos próximos anos, se nenhuma medida for adotada para fortalecer as estratégias de rastreamento do câncer colorretal, veremos aumentar rapidamente sua incidência e mortalidade no país.

Torna-se ainda mais preocupante esse panorama ao se constatar que pouco mais da metade da população brasileira encontra-se com sobrepeso ou obesa, mais precisamente, 53% dos homens e 52% das mulheres.

A obesidade é um importante fator de risco não só para o câncer colorretal, mas também para outros tumores, como de mama, de endométrio, de rim, de esôfago e de pâncreas.

Esse é um problema mundial de saúde pública, que assola não apenas os países de alta renda, mas também os de baixa e média.

O Atlas do Câncer reúne opiniões de especialistas, contendo a contribuição de mais de 40 autores e pareceristas. Assim como foi concebido para ser um recurso para grupos diversos, os especialistas que contribuíram também têm históricos variados.

Deixe uma resposta