As Minhas Aventuras No País Dos Sovietes descreve a sua vivência de quase 40 anos (1977-2015) em Moscou, inicialmente como estudante, e após a licenciatura em História da Rússia, como tradutor de obras literárias e políticas.
A viagem das Minhas Aventuras No País Dos Sovietes começa na Póvoa do Varzim, de onde o jornalista é originário. Proveniente de uma família de pescadores, cedo percebeu que o mar não era a sua vida. Prossegue então com os estudos na Ordem Missionária dos Combonianos, de onde acaba por sair por intervenção “divina”. Atraído pela propaganda comunista, inscreve–se na União de Estudantes Comunistas e decide ir estudar para um país comunista, acabando por ser colocado em Moscou.
Começa então a tomar consciência do que significa viver num regime comunista, e ao longo de anos a testemunhar a hipocrisia, injustiça e decadência do regime, a sua crença na causa comunista começa a desintegrar-se.
As Minhas Aventuras No País Dos Sovietes, de José Milhazes, permite-nos conhecer um pouco mais de um mundo fechado, que esteve inacessível à maioria de nós, mas que, pessoalmente, suscitou desde cedo bastante curiosidade. Simples na forma de escrever, José Milhazes conduz-nos na história da sua vida, partilhando as suas experiências e vivências na antiga URSS, contextualizadas por fatos históricos, permitindo-nos ter uma noção mais clara do que foi viver no país criador do bolchevismo. Das vicissitudes, da hipocrisia, da corrupção, mas também da inesperada solidariedade entre pessoas e do surpreendente sentido de humor.

Naquela altura, mais precisamente no dia 9 de Setembro de 1977, os comboios da linha Póvoa de Varzim-Porto (Trindade) ainda eram movidos a carvão e foi num deles que se iniciou, nessa data, a minha longa viagem ao País dos Sovietes.
Três das minhas cinco irmãs acompanharam-me à estação, levando uma delas ao colo o meu afilhado e sobrinho mais velho, Marco. Eu carregava, não, deixemo-nos de exageros, transportava na mão uma mala de cartão acastanhada com um par de botas de couro, algumas poucas peças de roupa e dois livros. Talvez um pouco mais de cinco quilos. Um dos livros era de Urbano Tavares Rodrigues, mas já não me recordo do título. Afinal, passaram quase 40 anos.

Camisa Bailarina

Deixe uma resposta