Paul Singer – Introdução À Economia Solidária

Posted on Posted in Economia

Introdução À Economia Solidária – O professor e economista Paul Singer descreve as origens históricas e os princípios da economia solidária – em que a solidariedade se sobrepõe à competição – e defende a ideia de que ela poderá ser uma alternativa superior ao capitalismo por proporcionar às pessoas uma vida melhor, com solidariedade e igualdade.
Introdução À Economia Solidária traz as bases da economia solidária, uma alternativa para romper com economia competitiva, criando uma sociedade mais igualitária, em que todos possuem trabalho e as mesmas oportunidades. Nesse sentido, embora o livro seja de 2002, ainda se mostra extremamente atual, servindo como inspiração para as vítimas de um sistema falho excludente de se reposicionar e mudar o paradigma vigente.
O que acontece com as pessoas que não conseguem competir no cenário capitalista, seja porque não conseguiram se inserir no mercado de trabalho ou tiveram uma empresa que quebrou? Continuar tentando competir. Acontece que a desigualdade não é algo natural e a competição muito menos.
Em uma sociedade ideal igualitária, a economia deveria ser solidária, aquela em que os participantes da vida econômica cooperam entre si, ao invés de competir. Na cooperativa de produção da empresa solidária, “todos os sócios têm a mesma parcela do capital e, por decorrência, o mesmo direito de voto em todas as decisões”.
Os sócios em uma empresa solidária visam promover a economia solidária através da autogestão, oferecendo trabalho e renda para aqueles que precisam, difundindo no mundo um modo democrático e igualitário de organizar atividades econômicas.
“A autogestão tem como mérito principal não a eficiência econômica (necessária em si), mas o desenvolvimento humano que proporciona aos praticantes. Participar das discussões e decisões do coletivo, ao qual se está associado, educa e conscientiza, tornando a pessoa mais realizada, autoconfiante e segura”.
Introdução À Economia Solidária é extremamente atual, devendo ser vista como a base a da Economia Solidária. Ela rompe com a competitividade do capitalismo, favorecendo a cooperação entres os indivíduos que terão uma sociedade igualitária em oportunidades de trabalho e redistribuição de renda.

Camisa Drummond

Deixe uma resposta