Luciane Ouriques Ferreira – Medicinas Indígenas E As Políticas Da Tradição

Posted on Posted in Ciências Sociais, Enfermagem, Medicina, Saúde

Medicinas Indígenas E As Políticas Da Tradição: Entre Discursos Oficiais E Vozes Indígenas – Compreender o processo de emergência das medicinas tradicionais indígenas no campo das políticas públicas de saúde indígena é o objetivo deste livro, que analisa os discursos proferidos por uma diversidade de atores – indígenas e não indígenas, governamentais e não governamentais, nacionais e internacionais.
Dessa forma, Medicinas Indígenas E As Políticas Da Tradição revela uma dinâmica que vai do global e ao local, e transforma os contextos envolvidos, originando novas formações culturais. As políticas públicas que qualificam os seus objetos e público-alvo com a categoria ‘tradição’ conformam uma formação discursiva, definida pela autora como ‘políticas da tradição’.
Um exemplo são as políticas voltadas à saúde indígena, que têm buscado reconhecer a eficácia das medicinas tradicionais indígenas e articulá-las com o sistema oficial de saúde. No entanto, “ao serem apropriados pelos povos indígenas, os discursos oficiais são postos a serviço dos seus interesses culturalmente situados – assim, estamos diante do fenômeno da indigenização”, diz a pesquisadora. E essa ‘indigenização’ se refere aos processos “levados a efeito pelos povos indígenas ao se apropriarem das políticas públicas a fim de manter a sua autonomia e reverter a seu favor o controle que o Estado passa a exercer sobre o mundo da vida de suas comunidades”.
Por que abordar as políticas da tradição se o foco deste livro recai sobre a emergência das medicinas tradicionais indígenas no campo das políticas públicas? Porque os enunciados que abordam o terna estão situados em um contexto discursivo mais amplo, configurado pelas relações estabelecidas entre o Estado brasileiro, os organismos internacionais e os povos indígenas. Em outras palavras, é importante analisar as políticas da tradição, na medida em que constituem o contexto oficial em que os discursos sobre as medicinas tradicionais indígenas circulam.
Ao reconhecer a eficácia das medicinas tradicionais indígenas e estabelecer como uma das suas diretrizes a articulação dos serviços de saúde com os sistemas tradicionais indígenas de saúde, a Política Nacional de Atenção a Saúde Indígena (Brasil, 2002) instaurou as condições legais para que o governo, em parceria com a sociedade civil organizada, passasse a fomentar um conjunto de ações de desenvolvimento das medicinas indígenas.
Ao mesmo tempo, abriu mais um canal de negociações interétnicas entre os povos indígenas e o Estado, por meio do qual recursos, bens e benefícios passaram a ser captados e revertidos por lideranças para atender aos interesses localmente situados de suas comunidades indígenas. Portanto, as relações interétnicas historicamente estabelecidas entre os povos indígenas e o Estado-nação são constitutivas do campo da saúde indígena no Brasil, configurando-o como um espaço fronteiriço de articulação das diferenças étnicas e culturais que nele interagem.

    

 

 

Camisa Pilha De Livros

Deixe uma resposta