Rubem Fonseca – Agosto

Posted on Posted in Literatura Brasileira

Agosto – 1º de agosto de 1954, Rio de Janeiro, capital da República. Enquanto no edifício Deauville um empresário é assassinado, outro crime é planejado no Palácio do Catete, sede do governo federal. Gregório Fortunato, o Anjo Negro, prepara um atentado contra o jornalista Carlos Lacerda, opositor ao governo de Getúlio Vargas. Essa tentativa frustrada de assassinato causará uma das maiores reviravoltas da história do Brasil, culminando com o suicídio do presidente.
Enquanto o país se divide entre fanáticos contra e a favor do governo de Getúlio, o comissário de polícia Alberto Mattos tenta desvendar o crime do edifício Deauville. Mattos começa a suspeitar de ligações entre o caso que investiga e o atentado a Carlos Lacerda, como se, por um momento, a vida de um homem comum e a da nação se confundissem.
Um dos maiores sucessos de crítica de Rubem Fonseca, Agosto nos propõe uma pergunta: em que medida a história de uma pessoa e a história de um país se determinam, se diferenciam e se assemelham? Ao misturar, com maestria, história e ficção, Rubem Fonseca demonstra que a resposta a essa pergunta, que não permite saídas fáceis, se encontra apenas na boa literatura.
Com um pé na ficção e outro na História, Rubem Fonseca faz de Agosto uma narrativa policial. A História não é só o pano de fundo. Transcorrendo em agosto de 1954, o livro apresenta os vultos históricos daqueles episódios, que culminaram com o suicídio de Getúlio Vargas, como se fossem protagonistas do próprio romance.

Rubem Fonseca nasceu em 1925 e é autor de livros, entre os quais romances, novelas, coletâneas de contos. Escreveu roteiros e algumas de suas obras foram adaptadas para o cinema e a televisão. Entre suas principais obras estão O romance morreu, que reúne crônicas publicadas no Portal Literal, Lucia McCartney (1969), O caso Morel (1973), O cobrador (1979), A grande arte (1983) e Agosto (1990). Em 2009 publicou um novo romance chamado O seminarista. Recebeu cinco vezes o prêmio Jabuti e em 2003 os prêmios Juan Rulfo e Camões.

Camisa Árvore Do Conhecimento

Deixe uma resposta