Rubem Alves – Gandhi: A Magia Dos Gestos Poéticos

Posted on Posted in Poesia

Gandhi: A Magia Dos Gestos Poéticos – Rubem Alves empresta-se ao pensamento de Gandhi para desnudar uma Índia subjugada e humilhada pelo dominador inglês. Se não pela oratória a revolução, pacífica, foi orquestrada somente por gestos poéticos.
Gandhi luta para resgatar a dignidade de seu povo, evocando a bondade, o amor e a beleza que cada um traz dentro de si.
A sedução de Gandhi. Itinerário espiritual do grande líder, de forma romanceada. Livro ilustrado por Rogério Borges e escrito pelo grande educador, filósofo e teólogo Rubem Alves. Nele, o autor faz um profundo mergulho na alma do libertador da Índia, mostrando-o não como um personagem épico, mas como um ser humano cuja grandeza nasce justamente da sua humanidade, que o leva a solidarizar-se com seus irmãos. Ao enfrentar o desafio de escrever em “primeira pessoa”, Rubem Alves dá ao texto a feição de um diário e permite ao leitor identificar-se com sua personagem.
“Não terei medo de ninguém sobre a terra.
Temerei apenas a Deus.
Não terei má vontade para com ninguém.
Não aceitarei injustiças de ninguém.
Vencerei a mentira pela verdade,
e na minha resistência à mentira
aceitarei qualquer tipo de sofrimento”
Gandhi

Rubem Alves (1933-2014), estudou Teologia e foi pastor até 1963. Tornou-se mestre em Teologia pelo Union Theological Seminary (Nova York, EUA) e doutorou-se em Filosofia pelo Princeton Theological Seminary. Foi professor por muitos anos e, no início dos anos 80, tornou-se psicanalista pela Sociedade Paulista de Psicanálise. Possui mais de 50 obras publicadas em diversos idiomas. Autor de crônicas, de livros sobre educação e infantis, ele guia seus leitores pelas paisagens da beleza e considera seus companheiros de viagem filósofos como Bachelard e Nietzsche, poetas como Fernando Pessoa, Adélia Prado e Cecília Meireles. Mineiro, é fácil perceber sua veia de contador de estórias. Mas nota-se também sua vasta cultura, como ele mescla conhecimento com sabedoria e traduz isso numa escrita simples, de frases curtas. O certo é que suas obras nos ajudam a refletir sobre o que realmente importa na vida, a voltar os olhos para o que há de mais humano, para o essencial. É autor, entre outros, de Protestantismo e Repressão, Filhos do Amanhã, Variações sobre a vida e a morte e Ostra feliz não faz pérola, que conquistou o 2º lugar na categoria contos e crônicas no Jabuti 2009.

Camisa Guarda-Chuva

Deixe uma resposta