Ignácio De Loyola Brandão – O Homem Que Odiava A Segunda-Feira

Posted on Posted in Literatura Brasileira

O Homem Que Odiava A Segunda-Feira – Contos absurdos, situações de delírio, metáforas e alegorias da realidade, à sombra da maldita segunda-feira. O homem que conversa com uma formiga; a caixa de correio que engole mãos; a ideia de corpos removíveis, permitindo retirar os seus membros. Sátiras, humor negro, sarcasmo, revolta com o cotidiano. Tudo culpa da segunda-feira.
Segunda-feira. Se for feriado, a terça faz o mesmo papel. E pode ser a sexta, a quarta. Não se pode ser feliz às segundas-feiras. E, segundo Loyola, não pode ser feliz nunca. A Segunda-feira é apenas um pretexto. Porque a Segunda-feira, afinal caia ela na segunda ou em outro dia qualquer, sempre nos lembrará obrigações, testamentos, promessas não cumpridas, compromissos que não queremos ter.
Pegue uma rua errada e tente explicar que a segunda-feira é apenas um dia que nunca deveríamos ter existido. E quando a segunda-feira for extinta, outros dias farão o papel desde dia nefasto. Assim concluiremos que simplesmente não deveríamos existir em nenhum dia da semana, única maneira de evita o ridículo das tragédias cotidianas. Loyola é pessimista? Mas deliciosamente bem-humorado. A ponto de tornar a segunda-feira um dia útil , agradável, e sobretudo surpreendente e cheio de possibilidades.
Em O Homem Que Odiava A Segunda-Feira, um cara comum, com trabalho, casa, mulher, começa a passar mal toda vez que se aproxima o fim do domingo e ele se pega vendo as programações finais dessa noite típica. Na segunda, ele passa a ficar tão mal, que nenhum médico consegue diagnosticar o que realmente este homem tem.
E como se não bastasse não ir trabalhar na segunda-feira porque tudo dá errado, ainda neste dia, perde a mão na caixa de correio e a sombra pelo caminho. Agora perder a mulher na segunda-feira, é mera coincidência ou não? Pensemos por este pobre homem que está tão só e sóbrio que começa a conversar com uma formiga depois dessa gota d’água.

Ignácio de Loyola Brandão nasceu em Araraquara em 1936. Jornalista e escritor, passou pelas redações de Última hora, Claudia, Realidade, Planeta, Lui, Ciência e vida e Vogue. Tem mais de 40 livros publicados, entre romances, contos, crônicas, viagens (Cuba e Alemanha) e infantis. Entre seus romances mais conhecidos, estão Bebel que a cidade comeu, Zero, Não verás país nenhum, O beijo não vem da boca, Dentes ao sol, O anjo do adeus e O anônimo célebre.

Camisa Pilha De Livros

Deixe uma resposta