Augusto Boal – A Estética Do Oprimido

Posted on Posted in Teatro

A Estética Do Oprimido – Neste livro, Augusto Boal sintetiza suas principais concepções de arte, deixando vivo para todos o seu legado teórico transformador.
Fruto de experimentações práticas em laboratórios teatrais e da sistematização teórica de seminários, A Estética Do Oprimido ganhou forma ao longo de oito anos de trabalho de pesquisa coletiva, sendo finalizado pelo autor em janeiro de 2009. Considerado por muitos como o testamento estético de Boal, a obra reflete também seu engajamento político. Através da arte, ele propõe uma teoria do pensamento sensível para o uso prático, isto é: como instrumento transformador da realidade.
Fruto de experimentações práticas em laboratórios teatrais no Centro de Teatro do Oprimido, e da sistematização teórica de seminários, A Estética Do Oprimido ganhou forma ao longo de oito anos de trabalho de pesquisa coletiva, sendo finalizado pelo autor em janeiro de 2009.
Fundador do Teatro de Arena e criador do Teatro do Oprimido, Augusto Boal chegou a ser condecorado Embaixador Mundial do Teatro pela Unesco, pouco antes de falecer, e em 2008 foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz. A Estética Do Oprimido reflete o engajamento político de Boal.
Através da arte, ele propõe uma teoria do pensamento sensível para o uso prático, isto é: como instrumento transformador da realidade. A Estética Do Oprimido convida todos a apostarem na potência mais radical do pensamento: a potência criadora de realidades possíveis.
Trata-se da sedimentação de mais de 50 anos de prática e reflexão sobre arte, indivíduo e sociedade. Uma visão ideológica – e inevitavelmente filosófica – de um artista que soube, como ninguém, conjugar o verbo mudar em todos os tempos e em todas as pessoas. A Estética Do Oprimido é um obra fundamental para a continuidade e o desenvolvimento das ideias defendidas por Boal no campo da arte, que tem uma marca especialíssima: a coerência política de quem dedicou sua arte à transformação da vida.

Camisa “E Viva A Diferença!”

Deixe uma resposta