Honoré De Balzac – A Comédia Humana (9 Volumes)

Posted on Posted in Literatura Estrangeira

A Comédia Humana é o título geral que dá unidade à obra de Honoré de Balzac e é composta de 89 romances, novelas e histórias curtas. Este enorme painel do século XIX foi reunido e ordenado pelo autor em três partes: “Estudos de costumes”, “Estudos analíticos” e “Estudos filosóficos”.
A maior das partes, “Estudos de costumes”, com 66 títulos, subdivide-se em seis séries temáticas: Cenas da vida privada, Cenas da vida provinciana, Cenas da vida parisiense, Cenas da vida política, Cenas da vida militar e Cenas da vida rural.
Trata-se de um monumental conjunto de histórias, considerado de forma unânime uma das mais importantes realizações da literatura mundial em todos os tempos. Cerca de 2,5 mil personagens se movimentam pelos vá­rios livros da Comédia Humana, indo e voltando, ora como pro­tagonistas, ora como coadjuvantes.
Genial observador do seu t­empo, Balzac soube como ninguém captar o “es­pírito” do século XIX. A França, os franceses e a Europa no período entre a Revolução Francesa e a Restauração têm nele um pintor magnífico e preciso.
Friedrich Engels, numa carta a Karl Marx, disse: “Aprendi mais em Balzac sobre a so­ciedade francesa da primeira metade do século, inclusive nos seus pormenores econômicos (por exemplo, a redistribuição da propriedade real e pessoal depois da Revolução), do que em todos os livros dos historia­do­res, economistas e estatísticos da época, todos juntos”.
Clássicos absolutos da literatura mundial como Ilusões perdidas, Eugénie Grandet, O lírio do vale, O pai Goriot, Ferragus, Beatriz, A vendeta, Um episódio do terror, A pele de onagro, Mulher de trinta anos, A fisiologia do casamento, entre tantos outros, combinam-se com dezenas de his­tó­rias nem tão célebres, mas nem por isso menos delicio­sas ou reveladoras.
Tido como o inventor do romance mo­derno, Balzac deu tal dimensão aos seus personagens que já no século XIX mereceu do crítico literário e historiador francês Hippolyte Taine a seguinte observação: “Como William Shakespeare, Balzac é o maior repositório de documentos que possuímos sobre a natureza humana”.

A Comédia Humana Vol. I:
A Vida de Balzac, por Paulo Rónai
Ao Chat-qui-Pelote
O Baile de Sceaux
Memórias de Duas Jovens Esposas
A Bolsa
Modesta Mignon

A Comédia Humana Vol. II:
Uma Estreia na Vida
Alberto Savarus
A Vendeta
Uma Dupla Família
A Paz Conjugal
Estudo de Mulher
A Falsa Amante
Uma filha de Eva

A Comédia Humana Vol. III:
A Mensagem
O Romeiral
A Mulher Abandonada
Honorina
A Mulher de Trinta Anos

A Comédia Humana Vol. IV:
O Pai Goriot
O Coronel Chabert
A Missa do Ateu
O Contrato de Casamento
Outro Estudo de Mulher

A Comédia Humana Vol. V:
Úrsula Mirouët
Eugênia Grandet
Os celibatários: Pierrette
O cura de Tours

A Comédia Humana Vol. VI:
Um conchego de solteirão
Os parisienses na província: O ilustre Gaudissart
A musa do departamento
As rivalidades: A solteirona
O gabinete das antiguidades

A Comédia Humana Vol. VII:
Ilusões perdidas

A Comédia Humana Vol. VIII:
História dos treze: Ferragus
A duquesa de Langeais
A menina dos olhos de ouro
História da grandeza e da decadência de César Birotteau
A casa Nucingen

A Comédia Humana Vol. IX:
Esplendores e misérias das cortesãs
Os segredos da princesa de Cadignan
Facino Cane
Sarrasine
Pedro Grassou

Faça uma doação para a Biblioteca Livr’Andante

e ganhe esta camisa ou escolha outros dos

nossos brindes.

Deixe uma resposta