Mauro Wolf – Teorias Da Comunicação

Posted on Posted in Ciências Sociais, Comunicação

Teorias Da Comunicação – O semiólogo e sociólogo italiano Mauro Wolf é considerado, ainda hoje, um dos mais influentes pesquisadores sobre a comunicação de massa. Discípulo do também italiano Umberto Eco, Wolf se interessou pelos estudos sobre o ‘mass media‘ e seus efeitos sociais — o que resulta em algumas de suas principais obras.
Em Teorias Da Comunicação, Wolf apresenta “uma análise crítica extremamente completa das teorias e modelos de análise mais importantes elaborados no decurso de vários anos de investigação”. Nas suas diferentes versões em língua portuguesa, essa obra tem sido referência bibliográfica básica em diferentes cursos da área de comunicação social no país.
Teorias Da Comunicação é dividida em duas partes, nas quais Wolf apresenta um panorama e uma evolução da pesquisa sobre comunicação de massa (‘mass media‘), entendida como “simultaneamente um importantíssimo setor industrial, um universo simbólico, um investimento tecnológico em contínua expansão, uma experiência individual cotidiana, um sistema de intervenção cultural e de agregação social”.
A amplitude e a volatilidade dessas características coloca um desafio no estudo da comunicação de massa, justamente, como estudar um objeto em constante mutação de formas. A sinalização de Wolf para tentar contornar esse obstáculo é analisar os modelos teóricos e contextos de pesquisa que baliram, até então, os estudos sobre a comunicação de massa.
A primeira parte de Teorias Da Comunicação basicamente ocupa-se disso: discutir as principais teorias do mass media desenvolvidas no século XX e suas abordagens, escolas, representantes, conceitos. Muito embora, cronologicamente, as diferentes teorias tenham emergido sucessivamente, Wolf enfatiza que não existem fronteiras definidas entre elas, mas uma trama, uma rede que faz com que as diferentes perspectivas se entrecruzem, complementem, renovem, se choquem e alinhem.
A segunda parte de Teorias Da Comunicação, como o título sugere, é destinada às tendências de pesquisa emergentes na época sobre os estudos da comunicação de massa. A primeira, relacionada ao estudo dos efeitos a longo prazo da comunicação de massa para a construção da realidade, a partir da hipótese do agenda-setting. Por essa hipótese, formulada ainda na década de 1970, a mídia é quem determina quais os assuntos que farão parte das conversas dos consumidores de notícias, ou seja, é um efeito social da mídia que seleciona e define a incidência de notícias sobre temas que o público irá ter acesso, consumir e discutir.
Já a segunda tendência são os estudos “da sociologia dos emissores aos newmaking“, teoria que no jornalismo discute as formas de produção de notícia. Por essa teoria, as notícias veiculadas pelos meios de comunicação não são um reflexo da realidade social, mas determinadas pelo padrão industrial de produção de notícias.

Faça uma doação para a Biblioteca Livr’Andante

e ganhe esta camisa ou escolha outros dos

nossos brindes.

Deixe uma resposta