A Impostura No Ministério Da Ordem traz alguns esclarecimentos sobre os problemas que a Igreja Católica tem enfrentado em seu clero, à luz das ciências que podem ajudar as autoridades da Igreja a se protegerem de pessoas que fazem um grande mal a Igreja de Cristo, e que estão dentro dela apenas a serviço de seus interesses e patologias.
A Impostura No Ministério Da Ordem surgiu a partir de uma demanda de urgência no que diz respeito à questão dos problemas enfrentados hoje com o clero na Igreja Católica Apostólica Romana. Embora a Igreja seja uma instituição repleta de pessoas de boa vontade e a maioria dos membros do clero não possua transtornos, faz-se necessário o presente estudo para que compreendamos porque a Igreja tem sido alvo de pessoas com transtornos de personalidade de muitos tipos, que lutam cada vez mais para entrarem nos seminários e fazerem parte do Ministério da Ordem.
A princípio, o objetivo era o de elaborar um trabalho sobre questões de sexualidade e afetividade no clero. Tais questões estão sendo hoje alvo de grande investimento por parte de formadores, bispos, reitores de seminários e lideranças eclesiais em geral. No entanto, justamente porque se investe muito nessa questão, faz-se necessário tratar um pouco daquilo que não é falado, que não é ainda trabalhado. Esses transtornos que iremos abordar aqui, apesar de não atingirem a maior parte dos ministros ordenados, causam um desgaste muito grande à Instituição.
Vivemos em uma cultura onde se favorece a tendência a certos transtornos de personalidade, devido a questões como as mídias seculares e seus programas, assim como a desestrutura familiar e outros fatores concorrentes.
Existem transtornos de personalidade de todo tipo. Alguns não são impedimentos para que a pessoa candidata ao sacerdócio seja aceita. No entanto, outros o são, ou deveriam sê-lo. E é quanto a essas situações que queremos alertar com este trabalho, a fim de que possamos futuramente ter uma Igreja mais saudável com menos problemas em seu seio.

Deixe uma resposta