Robert K. Massie – Os Romanov: O Fim Da Dinastia

Posted on Posted in História

No centenário da Revolução Russa, Os Romanov – O fim da dinastia se debruça sobre os momentos finais da família imperial russa.
Escrito à maneira de uma história de detetives por Robert K. Massie, historiador e ganhador do Prêmio Pulitzer de literatura, autor dos sucessos Catarina, a Grande, e Nicolau e Alexandra, o livro recria o sinistro massacre que pôs fim à vida do último czar e de seus familiares, revela a culpa e a dissimulação de Lênin e de seus comparsas e relata em detalhes dramáticos e cheios de suspense as tentativas para descobrir a verdade na Rússia pós-comunista.
O livro mostra o papel fundamental de cientistas, investigadores forenses, políticos e outras figuras importantes na descoberta da verdade por trás da morte dos Romanov e responde a uma série de perguntas que cercam esse evento trágico e memorável, especialmente após a exumação, em 1991, de nove esqueletos encontrados numa cova rasa na Sibéria, próximo ao infame porão onde os 11 membros da família foram assassinados setenta e três anos antes.
O desaparecimento da família imperial russa foi um dos maiores e mais cultivados enigmas do século 20. O czar Nicolau e a czarina Alexandra teriam sido assassinados por tropas bolcheviques ao lado de seus cinco filhos, porém o fato jamais foi oficializado pela Rússia Soviética.
Ao longo de quase cem anos, relatos confusos, truncados e repletos de contradições foram dando origem a lendas que atravessaram fronteiras e gerações. Na mais famosa delas, a jovem Anastácia teria sobrevivido ao massacre e perdido a memória – uma trama fantasiosa que inspirou romances açucarados, musicais de Hollywood e desenhos animados.
A realidade, no entanto, é muito mais cruel, ainda que igualmente fascinante. Em Os Romanov: O fim da dinastia, Robert K. Massie, vencedor do Pulitzer e autor de best-sellers como Catarina, a Grande, traça o relato definitivo da execução e seus desdobramentos.
A primeira dúvida que o autor esclarece se refere à culpa de Moscou e seu líder, Lênin, no que se refere ao aniquilamento dos Romanov. Em seu diário, publicado duas décadas mais tarde, o então comissário Leon Trotsky escreveu que “a decisão não era só conveniente, mas necessária.

Deixe uma resposta