Alexis De Tocqueville – A Democracia Na América Livro I

Posted on Posted in Ciências Sociais, Filosofia, História

Em A Democracia Na América, Tocqueville mistura incessantemente dois tipos de análise e dois tipos de convicção. No plano do raciocínio, ele justapõe uma lógica da tipologia, a partir da oposição aristocracia/democracia, e uma lógica da evolução, fundada no triunfo inevitável da democracia.
Tratando-se de sua concepção geral do mundo, ele compensa sua aceitação racional da democracia com o combate pelos valores inseparáveis do mundo aristocrático, em primeiro lugar a liberdade.
Em que outro lugar poderíamos encontrar maiores esperanças e maiores lições? Não voltemos nossos olhares para a América a fim de copiar servilmente as instituições que ela se deu, mas para melhor compreender as que nos convêm, menos para aí buscar exemplos do que ensinamentos, antes para tomar-lhe emprestados os princípios do que os detalhes de suas leis.
As leis da República francesa podem e devem, em muitos casos, ser diferentes das que regem os Estados Unidos, mas os princípios sobre os quais as constituições americanas repousam, esses princípios de ordem, de respeito sincero e profundo ao direito são indispensáveis a todas as Repúblicas, devem ser comuns a todas, e podemos dizer de antemão que onde eles não se encontrarem a República logo cessará de existir.
Há na viagem americana de Tocqueville um mistério de origem: Em que data essa ideia lhe ocorreu pela primeira vez? Quando o projeto tomou corpo? E por que a América?
Nem os fatos comuns, nem a documentação existente per­mitem responder de modo convincente a essas perguntas. Os fatos são claros, mas iluminam apenas o lado menor da ques­tão: a missão penitenciária.
Quando Tocqueville e seu amigo Beaumont embarcam no Havre, em abril de 1831, os dois jovens magistrados estão investidos de uma missão de exame das instituições penitenciárias americanas. Missão solicitada pelos interessados, não paga, mas oficial, e que será coroada por um “relatório” remetido aos poderes públicos, como manda a praxe, e publicado em seguida.
Mas esse estudo, seja qual for o interesse que apresenta para Tocqueville, que não cessará de se interessar pela reforma das prisões francesas, não passa evidentemente, no plano intelectual, de um acessório de sua grande viagem.
Seu verdadeiro interesse é estudar A Democracia Na América.

Deixe uma resposta