Fátima Quintas (Org.) – A Civilização Do Açúcar

Posted on Leave a commentPosted in Ciências Sociais, História, Nutrição

A história do Brasil se irmana à história do açúcar, ambas a produzir composições sociais claras e nítidas. Uma sociedade ancorada em hierarquias de classe com pólos distintos: de um lado, a oligarquia açucareira; do outro, a mácula da escravidão.
Mas esse doce com gosto de mel, e às vezes com gosto de fel, traçou o retrato da identidade brasileira: dos costumes, dos hábitos, do jeito de ser de uma gente. Não há como negar os elementos fundantes da nossa ancestralidade. Um doce que tem uma genética social.
A metáfora do Engenho representa para o Nordeste a sua memória coletiva. Se as casas-grandes encontram-se em ruínas — grande parte deles —, as narrativas que transitaram em seus corredores continuam vivas em imagens que desfilam no imaginário popular.
Há reminiscências que repousam nesse passado e que servem de alicerce à construção da biografia de cada um. E o senhor de engenho nunca foi apenas um ser econômico, mas uma entidade social, com círculos concêntricos que o firmaram em representatividade subjetiva e objetiva.
Originária do Sudoeste da Ásia, provavelmente da Índia, a cana de açúcar espalha-se pelo mundo através dos árabes. É bom que se diga que o seu sabor é profundamente mouro. Pelo Mediterrâneo atinge a Sicília, Gênova, Veneza e chega ao sul da Espanha, penetrando em Portugal a pedido do Infante D. Henrique. Há dados, entretanto, que remetem a datas anteriores à sua presença em terras lusitanas.
Plantada na Ilha da Madeira com sucesso — a maior produtora do mundo no século XV —, é levada para o Brasil onde alcança, durante o século XVI e XVII, uma produção gigantesca. Todo o processo de colonização calça-se na manufatura da cana. Cana para alegrar as crianças e os adultos.
Doce que chega à boca trazendo a alegria da festa. Não é sem razão que o adágio popular confirma: Quem a boca do meu filho adoça a minha beija.Se o aroma de Pernambuco tem cheiro de mel, como diria Joaquim Nabuco, os seus doces não ficam atrás. Doce para ninguém contestar o seu nível dulcíssimo. Absolutamente doce.
Genuíno, autêntico, regional, universal. Ninguém melhor do que Gilberto Freyre, no livro Açúcar, para expressar o sua simbologia:O açúcar — que se fez acompanhar sempre do negro — adoçou tantos aspectos da vida brasileira que não se pode separar dele a civilização nacional. Deu-nos as sinhás de engenho.
As mulatas dengosas. As toadas de cambiteiros. Os cantos das almanjarras. Os poetas de madrigais mais suaves. Alguns pregões brasileiros: Sorte, iaiá! É de maracujá!, Sorvete, sinhá! É de cajá.