Nos dias 24, 25 e 26 de maio de 2017, reuniram-se nas dependências do Campus Universitário de Vigia de Nazaré da Universidade do Estado do Pará, acadêmicos, docentes e pesquisadores para discutir, trocar experiências e pensar acerca dos estudos da linguagem no âmbito do IV Encontro Vigiense dos Estudantes de Letras (IV EVEL).
Desse modo, desenvolveu-se nesses três dias uma intensa agenda acadêmica com a construção e a ampliação de um espaço para a abordagem de diversos estudos/pesquisas que vem sendo desenvolvidos em diferentes instituições de ensino superior na Amazônia paraense.
Assim, os autores do presente livro são oriundos além da própria Universidade do Estado do Pará (UEPA), são professores, acadêmicos e pesquisadores da Faculdade de Castanhal (FCAT), Instituto Federal do Pará (IFPA), Universidade da Amazônia (UNAMA), Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA) e da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA); colaborando, significativamente com a formação de futuros professores de línguas na conjuntura amazônica e troca de experiências com docentes-pesquisadores de várias instituições.
O evento, também, contou com a presença de artistas e escritores paraenses que falaram das suas experiências literárias e com a participação fundamental de alunos-intérpretes do curso de Letras (LIBRAS) do Centro de Ciências Sociais e Educação da UEPA de Belém facilitando a comunicação dos participantes e palestrantes ouvintes com os demais acadêmicos e pesquisadores não-ouvintes.
Na quarta edição do Encontro Vigiense dos Estudantes de Letras, o evento conta com a publicação do presente livro ora colocado em público que é composto por 15 artigos de trabalhos apresentados na agenda do referido evento.
Desse modo, a consolidação do IV EVEL torna-se ainda mais evidente com esta publicação que visa servir de vitrine acerca dos assuntos tratados nos três dias de maio do corrente ano. Espera-se, com isso, a difusão das investigações tratadas pelos seus autores de modo a colaborar com a ampliação de uma agenda acadêmica por meio de futuras publicações que possam visualizar a produção científica em terras da Amazônia paraense.

Deixe uma resposta