A Farsa conta a história de Candidinha, um velha marginalizada pela sociedade, que decide, sob a farsa da submissão e da simpatia, promover a discórdia, o ódio e a maldade entre aqueles que a rodeiam.
Há existências inúteis, para quem a vida se reduz ao estreito âmbito formado pelas paredes que as cercam. Vivem por hábito. Sabem apenas exprimir-se com seis palavras rançosas. São um misto de papelada, de números de ideias estúpidas e vãs, de frases gastas e falsas.
Publicada em 1903, A Farsa de Raul Brandão é, possivelmente, a sua obra que mais se aproxima da estrutura narrativa de um romance convencional. Não deixa, no entanto, à semelhança das outras obras do autor, de ser uma obra de carácter expressionista, marcada pelas correntes do Simbolismo e Decadentismo.
A Farsa mistura também elementos romanescos, trágicos, cómicos, farsantes e até líricos numa prosa marcadamente poética: “a água come as pedras, as lágrimas molham e desgastam as criaturas” – uma característica estilística usual em Raul Brandão.
A Farsa é essencialmente uma narrativa dramática que discorre sobre a ideia e a forma como nós, indivíduos, usamos máscaras sociais como fachada e dissimulação, para encobrir a nossa interioridade conturbada e o nosso “eu” psicológico verdadeiro que é cada ser humano, reduzindo esta ideia aos traços grosseiros da caricatura, mas sempre com uma sensibilidade inigualável, como todas as obras de Raul Brandão.

Raul Germano Brandão (1867 — 1930) jornalista, prosador, ficcionista, dramaturgo, pintor e militar, famoso pelo realismo das suas descrições e pelo liricismo da linguagem. Publicou contos, livros de viagens, peças de teatro, memórias e estudos históricos. A sua prosa tem um visível idealismo no lírico anarquismo niilista, uma influência que adveem do grupo de escritores portuenses, boémios e entusiastas do simbolismo decadente. Como era neto de um pescador, os seus textos resumem simpatia e angústia para com os mais pobres ao evocarem as desgraças dos humilhados e ofendidos.

Deixe uma resposta