Arthur Rimbaud – Uma Temporada No Inferno & Correspondência

Posted on Posted in Sem categoria

Sobre Arthur Rimbaud (1854-1891) há toda uma mistificação criada a partir das circunstâncias de sua própria vida, sobre a qual pairam até hoje hiatos, sombras e dúvidas. Estas cartas, ferramentas fundamentais na compreensão desse mistério, foram selecionadas tendo como critério maior dar uma visão geral da vida do poeta e dos fatos marcantes que determinaram sua obra e sua incrível aventura africana.
Esta seleção tem a eloquência de uma biografia, trazendo, evidentemente, a marca do filtro da família, responsável pela liberação de boa parte desta correspondência. Aqui estão os primeiros passos na vida literária, o acompanhamento da construção da sua pequena, porém monumental obra composta fundamentalmente por Uma Temporada No Inferno e Iluminações; encontraremos o seu tumultuado e violento relacionamento com Verlaine, a trajetória africana, o início da sua doença, os sacrifícios e, por fim, o relato patético e emocionado da irmã Isabelle, que o acompanhou na sua agonia, quando já em Marselha, com o corpo paralisado pela doença, veio a morrer aos 36 anos.
No final do livro, publicamos três textos inéditos no Brasil de Paul Verlaine: dois prefácios e uma crônica biográfica sobre Rimbaud, fragmentos que mostram uma profunda admiração estética pela poesia de Rimbaud, que Verlaine qualificava como “perfeita” e “genial”.
Embora tenha parado de escrever aos 21 anos, Arthur Rimbaud (1854-1891) foi uma das vozes poéticas mais talentosas já vistas, e sua pequena obra influenciou os maiores escritores dos séculos XIX e XX.
Uma Temporada No Inferno, de 1873 é o visceral relato em prosa poética do homem perscrutando as suas profundezas e origens. De uma riqueza imagética sem precedentes na literatura, os textos de Uma Temporada No Inferno visitam sonhos e terras distantes, desejo de solidão e sede de conhecimento, o passado ancestral e a busca pelo desconhecido. Deles emerge o homem rebelde e aventureiro, vivendo – como dizia Verlaine a respeito de Rimbaud – a própria “vida inimitável”.

Deixe uma resposta