Os Debates Sobre A Transição são, sem dúvida, algumas das mais belas páginas da moderna historiografia do Ocidente. Com a força de sua originalidade e abrangência, influenciaram, ao longo de décadas, diversas gerações de historiadores e membros das demais ciências sociais.
Nesse percurso, contribuíram para colocar a pesquisa histórica em um novo patamar de excelência e rigor, ao apontar para a necessidade de explorar fontes inéditas e desafiadoras como recurso fundamental do trabalho historiográfico.
Na primeira parte do livro, é revisitado um dos temas mais polêmicos da historiografia brasileira das décadas de 1960/70: o debate sobre a origem do capitalismo ou, dito de outra forma, a transição do feudalismo para o capitalismo. Tendo por base o livro de Dobb “A evolução do capitalismo” e a coletânea “Transição do feudalismo para o capitalismo”, organizada por Paul Sweezy, reunindo artigos publicados entre 1950 e 1976, o leitor é convidado a penetrar no interior das tensões intelectuais e políticas que permearam esse debate a partir de um novo olhar em que as questões ali apresentadas receberam uma análise criteriosa e profunda. Assim, é possível acompanhar criticamente o debate sobre um tema denso e profundo.
A segunda parte da obra é dedicada à análise do modo como esse debate desembarcou no Brasil na década de 1960. Ancorado pelas concepções teóricas apresentadas e discutidas na primeira parte, o autor revisa a tese do capitalismo colonial brasileiro, especialmente no tocante à estrutura agrária nacional. Como foi pensada a ideia de um capitalismo rural no Brasil? Como o tema da penetração das relações de mercado no campo foi tratado por autores como Nelson Werneck Sodré, Alberto Passos Guimarães, intelectuais que tentaram aplicar à realidade histórica brasileira as proposições teóricas defendidas pela III Internacional Comunista, bem como as hipóteses dissidentes defendidas por Caio Prado Jr..
Com isto, Os Debates Sobre A Transição ocupa lugar relevante nos estudos historiográficos dedicados à História das Ideias e dos Intelectuais.

Deixe uma resposta