Na Espanha, o debate sobre a questão nacional é antigo e continua a ocupar posição central na vida política do país, verdadeiro laboratório de ideias sobre os conceitos de nação e nacionalismo.
A tensão entre a força centrípeta do nacionalismo espanhol e a força centrífuga dos nacionalismos periféricos, especialmente o basco e o catalão, constitui um dos desafios centrais da política espanhola desde o final do século XIX.
O recente recrudescimento do projeto independentista catalão procura colocar em questão a permanência do Estado espanhol como o conhecemos.
O fenômeno, no entanto, não representa caso isolado, mas faz parte de quadro mais amplo, no qual o sentimento de pertencimento contribui para a definição do espaço político, seja em Estados nacionais, seja em nações sem Estado.
Desse modo, um estudo sobre o caso catalão pode ajudar a compreender a dinâmica do nacionalismo, que continua a representar importante força política no mundo contemporâneo.
O atual “Estado das Autonomias”, que se delineará a partir da Constituição de 1978, permitiu a organização territorial da Espanha em dezessete Comunidades Autônomas, que gozam de elevado grau de autonomia e autogoverno.
Em que pese a forte descentralização, não houve arrefecimento do nacionalismo catalão, mas demandas contínuas por mais autonomia e mostras de insatisfação com um modelo que, segundo os nacionalistas catalães, além de não reconhecer a Catalunha como nação, desrespeitaria a especificidade de comunidades históricas como a basca e a catalã ao conceder praticamente o mesmo grau de autonomia a todas as comunidades autônomas da Espanha.
Ao propor o surgimento de novo Estado independente, o projeto catalão representa desafio à soberania do Estado espanhol. O nacionalismo catalão não constitui caso isolado, mas faz parte de fenômeno amplo, no qual o sentimento de pertencimento a uma nação contribui para a definição do espaço político, seja em Estados nacionais, seja em nações sem Estado.
Desse modo, um estudo sobre o recrudescimento do nacionalismo catalão pode ajudar a compreender a dinâmica do nacionalismo, que continua a representar importante força política no mundo contemporâneo. A “questão catalã” também oferece oportunidade de reflexão sobre noções essenciais do sistema de Estados. Conceitos como “país”, “nação”, “Estado” e “soberania” encerram alto valor conotativo e merecem contínuo exame.

       

Deixe uma resposta