O Brasil adentra o século e o milênio com mais um grave desafio de Saúde Pública: a violência. Com o objetivo de disponibilizar informações, promover e facilitar a discussão sobre a questão, o Ministério da Saúde por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde e em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde e o Centro Latino Americano de Estudos da Violência e Saúde Jorge
Careli/Fundação Oswaldo Cruz da Escola Nacional de Saúde Pública, introduz esta publicação.
Impacto Da Violência Na Saúde Dos Brasileiros sistematiza informações sobre acidentes e violências a partir dos bancos de dados existentes, o Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e o de Sistema de Informações Hospitalares (SIH) e procura refletir mais amplamente sobre o contexto no qual a violência pode se desenvolver. Os resultados aqui apresentados mostram a relevância do problema no Brasil, uma vez que a maior ameaça à vida dos jovens em nosso País, na atualidade, não são as doenças, mas sim a violência. Ao contextualizar o problema, busca avançar na compreensão dos seus determinantes sociais, analisando sua frequência e distribuição em grupos populacionais, identificando os fatores de risco que podem auxiliar na definição de medidas preventivas e na atuação dos gestores.
Com Impacto Da Violência Na Saúde Dos Brasileiros reafirmamos o reconhecimento da violência como um problema de saúde pública, embora não específico da área da Saúde, uma vez que é resultado de uma complexa interação de diversos fatores, que podem ser individuais, sociais, econômicos, culturais, dentre outros. Por isso, a sua abordagem deve ser interdisciplinar, apoiada no avanço dos conhecimentos científicos e na superação das desigualdades, implicando na articulação da segurança, da saúde e do desenvolvimento social, devendo ser enfrentada pelos diversos setores da sociedade e do Estado.
O trabalho de reunião de estudos afins ao assunto reflete o entendimento da instituição de que a violência deve ser analisada, assistida e prevenida de maneira interdisciplinar, envolvendo os diversos setores governamentais em suas três esferas – federal, estadual e municipal –, os setores não governamentais organizados e demais expressões da consciência da sociedade civil. Entre instituições, autoridades e técnicos que colaboraram com este projeto e são merecedores de agradecimentos sinceros, encontram-se, especialmente, aos autores dos estudos que motivaram os relatos apresentados nesta oportuna e valiosa publicação.

Deixe uma resposta