A discussão e a controvérsia não são os motivos principais deste livro, embora nele haja bastante argumentação, o que sem dúvida suscitará controvérsia.
Os fatos são teimosos. A verdade se revela mesmo que esteja oculta por trás de um véu ou misturada com alegorias, parábolas e estranhas interpretações. A maioria dos fatos contidos neste livro estão claramente revelados na Bíblia Cristã, particularmente no Novo Testamento.
Este trabalho, entretanto, não é um exemplo da forma pela qual a Bíblia pode ser erroneamente interpretada, ou descuidada e arbitrariamente citada, em partes, para comprovar uma ideia, uma teoria ou uma postulação.
Alguém já disse que praticamente qualquer teoria estranha ou proposição assombrosa pode ser provada tomando-se passagens desconexas ou não relacionadas da Bíblia e juntando-as de determinado modo, ou reforçando certas palavras, de maneira a formar uma ideia nova e totalmente incorreta.
As citações da Bíblia Cristã utilizadas neste livro são surpreendente e estranhamente esclarecedoras, quando usadas exatamente como aparecem no Novo Testamento e sem serem separadas do contexto geral.
Elas contêm fatos que foram deliberadamente omitidos ou mal interpretados, pois não são suscetíveis de diferentes interpretações. Ou elas significam determinada coisa, ou não significam nada.
Quando o Novo Testamento afirma que Maria, a mãe de Jesus, era uma de suas discípulas secretas ou um membro do grupo de Seus discípulos que se reuniam em um local secreto, isto não significa nem pode significar que se tratava de uma outra Maria, ou que ela era membro de algum outro grupo de estudantes, ou ainda que era uma de Suas discípulas apenas espiritualmente ou alegoricamente.
Muitas pessoas podem ficar surpresas em saber que Jesus tinha uma mulher entre seus seguidores, fosse ela Maria, sua mãe, ou qualquer outra. Mas só porque esse fato é surpreendente não há razão para duvidar de sua veracidade ou de sua implicação, seu significado claramente deliberado e seu significado subjacente.
Se Jesus tinha Sua mãe, como simples mulher, entre Seus estudantes particulares, Seus discípulos secretos ou Seu grupo de discípulos, isto é muito significativo, não apenas porque ela era Sua mãe, Maria.
E se esse fato é surpreendente, que devemos então pensar de outras passagens do Novo Testamento que afirmam que havia outras mulheres além de Maria entre Seus discípulos particulares e que, portanto, nem todos os Seus discípulos ou estudantes escolhidos eram homens?

 

 

 

 

Deixe uma resposta