Dô, leitura chinesa. Michi, tradução japonesa do ideograma. Suas semânticas: caminho, trajeto, percurso, circuito, passagem, modo de fazer, método, ensinamento, princípio, taoismo…
O Santuário Ise, na província de Mie, um dos mais representativos do Japão, concretiza a imagem desse ideograma. Um visitante, ao chegar no santuário, atravessa várias fronteiras que simbolizam a passagem do território profano para o divino, como os portões torii ou as pontes que se elevam sobre o Rio Isuzu, que corre por baixo. A água está presente como um elemento divisor entre o lado mundano e o universo espiritual a ser desvelado.
Inicia-se, assim, o percurso até o santuário, que se segue por um caminhar marcado pela polissensorialidade – ouve-se o barulho do fluir da água no rio, das batidas dos pedregulhos ocasionadas pelo deslocamento dos pés do transeunte, sente-se o frescor do aroma das árvores do bosque sagrado, de onde se extrai a madeira para a edificação do santuário. Trata-se de uma rota nada semelhante àquelas retilíneas e geometricamente traçadas de alguns espaços públicos ocidentais; o caminho de Ise é sinuoso, curvo e um tanto labiríntico.
Num determinado local, quase no final da caminhada, há uma zona de ablução na qual o peregrino tem a experiência sensorial da purificação – a água está novamente presente nesse momento, em que se lavam as mãos e a boca. Essa é a última fronteira que indica a proximidade da construção sagrada. No entanto, quando chega na área do santuário, o caminhante não consegue vê-lo, pois a sua visão é bloqueada pelas cercas e muito menos se faz possível penetrar a morada de deus. O tão almejado espaço divino é invisível e intocável: apenas um vazio se apresenta no final do trajeto.
O que significa, então, o ato de visitar o santuário?
Tal visita é nada mais nada menos que a própria ação do caminhar. Valoriza-se, assim, o percurso e não o objetivo a ser alcançado, porque o processo da construção é a essência do ato.
Assim é o dô, o caminho de construção da arte e da busca da aprendizagem, que faz parte de palavras relacionadas à arte como kadô (ou ikebana), sadô (cerimônia do chá), kôdô (arte do aroma), shodô (caligrafia japonesa), nôgakudô (teatro nô), englobando também as artes marciais como judô, quendô, aiquidô etc.

Deixe uma resposta