É perigoso olhar para trás. Quando Orfeu o fez, Eurídice virou estátua de sal. A mulher de Lot, fugindo de Sodoma, também olhou para trás e teve a mesma sorte. O ruim do passado é que ele não pode ser mudado; o bom é que ele já passou.
Podemos dizer também que o passado não passa. Ele convive com a gente em cada decisão que tomamos no presente. O passado só larga de nosso pé quando estamos construindo alguma coisa. Depois que passa o susto, ele ataca de novo. É preciso portanto estar sempre construindo alguma coisa, seja lá o que for.
Nem sempre fiz o que queria, mas nunca fiz o que não queria. De tudo que vivi, nada se compara ao Cinema Novo, uma enorme excitação, o imenso prazer de compartilhar a vida e o cinema com aquelas pessoas e nossas ideias.
Vida De Cinema não pretende provar nada. Ele é uma espécie de almanaque, em que, se você quiser, pode pular parágrafos, capítulos, partes, páginas. Fique à vontade, leia só o que lhe interessa.

Vida De Cinema, autobiografia de Cacá Diegues, traz a experiência de um dos diretores mais importantes da sétima arte brasileira, cuja obra transita entre os diferentes períodos estéticos e de condições de produção fílmica que perfizeram a trajetória da difícil formação de uma indústria cinematográfica local.
Dividido em sete partes, Vida De Cinema abarca o período de 1940 a 1995, quando a narrativa é interrompida: 21 anos parecem a Cacá Diegues um tempo muito pequeno para uma análise que se pretenda distanciada, sobretudo a partir da própria experiência.
No entanto, os 55 anos narrados abarcam desde o nascimento do diretor em Maceió até a preparação do que seria um de seus mais conhecidos filmes: Tieta do Agreste (1996), baseada na obra homônima de Jorge Amado.
Trata-se, assim, de uma densa e extensa narração – Vida De Cinema possui quase 700 páginas – que abarca suas impressões sobre a história do cinema brasileiro e a vida nacional, geralmente e francamente aliadas. Nesse ponto, ele tem a mesma dimensão e importância de um livro como Verdade tropical (1997), autobiografia intelectual de Caetano Veloso.

Deixe uma resposta