Zygmunt Bauman – Identidade

Posted on Posted in Ciências Sociais

Identidade volta a uma questão central do pensamento de Zygmunt Bauman em alguns de seus livros: no mundo de hoje, qual é o espaço do eu e do outro? Qual é a medida da liberdade individual? E do respeito ao próximo, com todas as suas diferenças? É possível construir uma identidade sem levar a alteridade – o outro – em conta? A sobrevivência de um Estado-nação moderno pode se afirmar na falência ou na negação de outros estados? Nessa entrevista que concedeu ao jornalista italiano Benedetto Vecchi, um dos maiores teóricos da atualidade mostra como a identidade se tornou um conceito-chave para o entendimento da vida social na era da “modernidade líquida” – termo que Bauman cunhou para falar do esgarçamento das relações na atualidade. Segundo o sociólogo, à medida que nos deparamos com as incertezas e as inseguranças da “modernidade líquida”, nossas identidades sociais, culturais, profissionais, religiosas e sexuais sofrem um processo de transformação contínua. Isso nos leva a buscar relações transitórias e fugazes e faz com que soframos as angústias inerentes a essa situação. A confusão atinge os valores, mas também as relações afetivas: “Estar em movimento não é mais uma escolha: agora se tornou um requisito indispensável”, afirma Bauman.

Em todos os seus textos, Zygmunt Bauman consegue abalar as nossas crenças fundamentais, e este livro de entrevistas sobre a questão da identidade não é exceção. As entrevistas fogem um pouco do padrão por não terem sido realizadas com um gravador e porque entrevistado e entrevistador nunca estiveram face a face. O e-mail foi o instrumento escolhido para o nosso diálogo, o que impôs um ritmo um tanto fragmentário a nossa troca de perguntas e respostas. Na ausência da pressão do tempo e do face a face, nosso diálogo a longa distância foi caracterizado por muitas pausas para reflexão, pedidos de esclarecimento e pequenos desvios para assuntos que originalmente não pretendíamos abordar.

Deixe uma resposta