Ilhas De História é uma reunião de ensaios de Marshall Sahlins sobre sociedades insulares: Havaí, Fiji e Nova Zelândia. Com erudição e ironia, suas reflexões são uma crítica à história e à antropologia ocidentais, cujo pensamento acadêmico cria falsas dicotomias entre passado e presente, estrutura e história, indivíduo e sociedade.
Em Ilhas De História, Sahlins pretende resgatar, para a análise cultural, acontecimento, ação, transformação; e inversamente, resgatar para a história, a análise estrutural. Para ele, a palavra estrutura remete a categorias culturais concebidas como uma rede conceitual: um sistema de diferenças e um conjunto de categorias.
Com a chegada dos barcos ingleses a ilha, instalou-se um intercâmbio satisfatório entre os moradores locais e a tripulação do capitão Cook. É importante ressaltar que nessas trocas, os objetivos eram bem distintos. Como na realidade local o princípio mais importante era a hierarquia existente; é exatamente através dessas trocas que as mulheres buscavam uma mobilidade social dentro daquela estrutura. Fato que se concretizava quando elas mantinham relações sexuais com os tripulantes ingleses que, de acordo com a tradição havaiana, eram de natureza divina. Nesse momento, podemos fazer um link com o texto de Lynn Hunt, pois segundo o autor, no momento em que o capitão Cook chega à ilha ele é classificado como uma forma histórica dentro da realidade mítica local. Representando Lono, o deus da fertilidade, o capitão Cook ocupa um lugar na estrutura existente, a isto o autor chama de signo de posição. Cook já era uma tradição para os havaianos antes mesmo de se tornar um fato.
Já no exemplo das relações sexuais entre os tripulantes e as mulheres locais, ocorre um signo em ação: categorias e valores mobilizados de acordo com a situação. Nesse exemplo ocorre uma mudança na estrutura da sociedade. As mulheres que ocupavam categorias subalternas dentro da estrutura local passam a reivindicar seu status de geradoras de filhos de Deuses. Os signos transformam o significado original.

Deixe uma resposta