Ao longo de seus 80 anos de existência, as rádios Nacional e MEC ofereceram vários caminhos diferentes para o fazer radiofônico, aqui parcialmente relembrados e analisados.
Trata-se de posicionar tais emissoras em vários momentos de suas trajetórias, procurando apresentar algumas de suas facetas.
Afinal, a Nacional foi o exemplo mais acabado e bem-sucedido em termos de meio eletrônico de comunicação massiva no período anterior ao advento da televisão. De fato, trata-se da única emissora de rádio do país a merecer o qualificativo de “nacional”. Esta palavra, portanto, não era mera denominação, em especial nas décadas de 1940 e 1950. A estação reinou com seu cast de astros estrelas a atrair enorme investimento dos principais anunciantes da época.
Já a MEC é a herdeira do sonho educativo de Edgard Roquette-Pinto, principal incentivador da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, segunda entidade dedicada à irradiação de mensagens sonoras no país, pioneirismo dividido com o Rádio Clube de Pernambuco.
Colocado em face da possibilidade de transformar a emissora em um negócio, Roquette-Pinto não hesitou, doando a emissora para o então Ministério da Educação e Cultura.
Se uma representou o apogeu do rádio como negócio, a outra, já sob a hegemonia das emissoras comerciais, garantiu um espaço para o educativo e o cultural neste novo cenário.
Na segunda década do século XXI, apesar das incertezas sobre o futuro da Empresa Brasil de Comunicação, guarda-chuva legal de um conjunto de estações de rádio e TV, sob o qual também se abrigam, a Nacional e a MEC tentam trilhar o caminho das emissoras públicas. É campo, infelizmente, incerto do ponto de vista jurídico, uma vez que, embora este campo da radiodifusão aparece definido na Constituição Federal de 1988, a sua definição ainda carece, quase três décadas depois, de legislação complementar a respeito.
De certezas e incertezas, tratam os 14 textos apresentados a seguir em mais um esforço de integrantes do Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom para lançar luz sobre o meio rádio.

Deixe uma resposta