Este instigante livro de memórias e o relato não só da vida de uma importante personagem, mas também dos acontecimentos que mudaram para sempre a história da América Latina.
De uma forma que ninguém mais poderia fazer, Juanita Castro, irmã de Fidel e Raul, nos leva a conhecer a família Castro, desde a infância e juventude ate as novas gerações, passando pelas lutas contra Batista, pela Revolução Cubana ate o momento em que decide se posicionar contra o regime de Fidel.
Durante esta fascinante história, Juanita mostra o lado menos conhecido de personagens míticos da revolução: além de Fidel e Raul, Ernesto Che Guevara, Celia Sanchez, companheira de Fidel, o revolucionário Camilo Cienfuegos e tantos outros. além disso, pela primeira vez, Juanita revela um segredo que guardou por mais de cinquenta anos: suas atividades como agente da CIA.
Como as matrioshkas russas – essas bonecas que levam em seu ventre outras figuras –, estas memórias contêm vários textos, subtextos e informações novas e surpreendentes, incluindo certas informações sobre amantes e filhos desconhecidos de Fidel.
Não obstante, o propósito mais evidente desta obra é a reivindicação que Juanita faz da honra de sua família. Defende seus pais e avós maternos com unhas e dentes.
Muito já se disse e escreveu que don Ángel Castro Argiz, imigrante galego em Cuba, pai de Juanita (e, portanto, também de Ramón, Fidel, Raúl, Angelita, Enma e Agustina, aos quais se agregam outros dois filhos mais velhos, Lidia e Pedro Emilio, frutos de um matrimônio anterior), era um proprietário rural inescrupuloso, que roubava terras e gado e até matava peões para roubar-lhes o dia de trabalho.
Juanita nega veementemente. Onde estão as provas? E as acusações formais e os processos? Num lugar tão pequeno como Birán, na província de Oriente, nada disso poderia acontecer sem deixar marcas jurídicas ou pelo menos rastros nos jornais da época.
Por que ninguém os encontrou? O pai de que ela se recorda era homem amoroso e trabalhador, de pouco estudo, mas inteligente e intuitivamente dotado para o comércio, o que lhe permitiu desembarcar na Ilha sem um centavo e chegar a acumular uma fortuna não tão pequena, que dividia generosamente com a família.

Deixe uma resposta