O que significa, contemporaneamente, deter-se nos temas ligados à filosofia da história? Muitos reduziram essa disciplina filosófica ao opróbrio e a dispensam como última das manifestações metafísicas da Modernidade. Entretanto, não parece que recusar toda filosofia da história, como nos adverte Gouhier, seria, ainda assim, uma filosofia da história? Com efeito, as transformações decisivas que o mundo hodierno vê diante de si contêm implicações históricas, o que nos convoca a atualizar o debate acerca da História e seu sentido. Com esse objetivo, reunimos, neste livro, alguns textos concernentes às discussões sobre a história e seu objeto, desde o século XVII até a contemporaneidade, que compõem uma amostragem do que se está trabalhando no âmbito da filosofia da história, ao menos, mais expressivamente, no Brasil.
A elaboração deste livro só foi possível a partir da proposta surgida no IX Encontro Nacional de Filosofia da Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia -ANPOF, realizado entre os dias 3 e 8 de outubro de 2000, em Poços de Caldas-MG. Durante esse evento, com base na reorganização da estrutura interna da ANPOF, começaram a funcionar os Grupos de Trabalho (GTs). Por iniciativa de alguns pesquisadores da área de Filosofia da História foi proposto e aprovado o Grupo de Trabalho Filosofia da História e Modernidade que possui em seu quadro professores da USP, UFS, UESC, UNICAMP, UFBA, UFU e UFPB. Notou-se, com efeito, que o surgimento do grupo suscitou o interesse de vários pesquisadores, mesmo não podendo inscrever-se a tempo no GT e, oficialmente, participar de suas atividades. Atividades estas que tiveram, na avaliação dos participantes, uma boa repercussão, levando-nos a propor um encontro mais amplo que conseguisse reunir a maioria dos envolvidos com a área e os grupos de pesquisa já formados, e, dessa forma, avaliar a produção específica ao tema. Assim, ter-se-á avaliado o estado da questão, quando o tema é a reflexão filosófica acerca da história e do seu sentido.

Deixe uma resposta