Política De Segurança: Os Desafios De Uma Reforma: Sob a coordenação de Guaracy Mingardi, os autores construirão, cada um com seu ponto de vista, um diagnóstico das complexas e fundamentais questões relativas à violência e à segurança pública no país, abordando temas que vão do papel das estatísticas na percepção da criminalidade até o problema do financiamento da segurança, passando pelo processo de estruturação dessa área no país, pelos problemas que envolvem a polícia investigativa, pelas relações entre violência e políticas para a juventude, pelo atualíssimo debate sobre as experiências de policiamento comunitário no Brasil, pela questão do tráfico e das organizações criminais e pelo papel das guardas municipais nessa estrutura.
Em cada texto de Política De Segurança: Os Desafios De Uma Reforma, como a leitora e o leitor perceberão, há um olhar e uma apreciação particulares dos problemas levantados, assim como uma opinião própria sobre as possíveis soluções. Não obstante, por vezes estabelece-se inadvertidamente um diálogo entre os autores, marcado por convergências e divergências, como todo bom diálogo costuma ser.
Política De Segurança: Os Desafios De Uma Reforma não esgota a complexa temática, sobretudo em um momento de grande questionamento do papel, estrutura e funcionamento do aparato policial no país. Mas oferece, sem dúvida, elementos relevantes para um enfrentamento da questão, de um ponto de vista democrático e popular.
Política De Segurança: Os Desafios De Uma Reforma foi concebido como uma coletânea de ensaios sobre segurança pública.
Ao contrário de outros da coleção Projetos para o Brasil, os autores não tiveram condições de se reunir nem discutir, em conjunto, os temas aqui tratados.
O motivo desse trabalho individualizado é que a segurança pública é ainda um tema em construção dentro das políticas públicas brasileiras. Saúde e educação, por exemplo, são tratados há muito tempo. Nessas áreas, o acúmulo de conhecimento e de concordância chegou a níveis em que é possível discordar de uma política, mas discuti-la dentro dos mesmos parâmetros de seus idealizadores.
Na questão da segurança estamos longe disso. Os posicionamentos ainda são diversos e envolvem valores extremamente diferenciados. Desmilitarização e unificação das polícias, descriminalização das drogas etc., são discussões em aberto e que sempre tem, no mínimo, duas posições opostas e irreconciliáveis e por isso, não trataremos dessas e de outras teses do tipo. Tentamos mostrar os problemas centrais de algumas políticas e não discutir temas genéricos demais, que não ajudam a definir caminhos viáveis para os próximos anos. Os únicos textos mais abrangentes são os dois primeiros, por meio dos quais buscamos oferecer um apanhado geral da situação criminal e da estrutura de segurança. Os outros tratam de pontos específicos.

Deixe uma resposta