Este livro é resultado do I Encontro Internacional de Estudos Multidisciplinares – Antiguidade e Medievalidade nos textos e, sobretudo, fruto de um encontro profícuo entre professores do curso de História e do Mestrado Acadêmico em História (MAHIS) da Universidade Estadual do Ceará e professores do Departamento de Literatura do curso de Letras e da Pós-graduação em Letras (PPGLetras) da Universidade Federal do Ceará. O desejo de reunir profissionais que atuam em diferentes áreas como a História, a Literatura, a Educação e a Filosofia foi estímulo inicial, em especial, como uma oportunidade para o encontro de pessoas cujas pesquisas estão voltadas para os estudos da cultura clássica e medieval.
Possivelmente, a maior motivação tenha nascido da constatação de que no Ceará os estudos relativos à Antiguidade e ao Medievo são poucos, quase raros; entretanto, esta não foi a única. A curiosidade e o gosto por estes dois extensos períodos pode ser percebida tanto em cursos de extensão, disciplinas optativas, quanto em orientações de projetos de pesquisa de graduação e pós-graduação, além, claro, das pesquisas docentes que resultam ou resultaram em dissertações e teses nessas áreas.
Pode-se observar, pois, um grande interesse e vontade de saber e aprender entre muitos estudantes e professores de outras áreas, e, do mesmo modo, em relação a pessoas não ligadas especificamente ao mundo acadêmico, mas portadoras de uma cultura significativa nutrida por leituras de ambos os períodos.
Assim sendo, a partir de conversas e reflexões, inicialmente esporádicas, um pequeno grupo de acadêmicos das duas universidades deixou de lado o enganoso conforto das situações estabelecidas para passar a pensar, coletivamente, um modo de alterar esta situação no contexto cearense. Passou-se a discutir quais as ações que poderiam proporcionar o diálogo e o intercâmbio entre pesquisadores e interessados no assunto, quais ações poderiam contribuir para maior visibilidade de pesquisas, pesquisadores e interessados e, principalmente, como criar estratégias que pudessem favorecer o crescimento dos estudos clássicos e medievais no Ceará.

Deixe uma resposta