A proposta deste trabalho é realizar uma interpretação histórica e estrutural da formação econômica e social de um caso particular de desenvolvimento econômico regional: o Triângulo Mineiro e sua inserção nacional. O interesse específico por esta região supera em muito a busca da identidade pessoal e de seu povo. Esta, por si só, já seria relevante, pois ajuda pesquisadores e leitores a refletirem sobre as origens socioeconômicas próprias de uma determinada área e, ao mesmo tempo, a busca de compreensão, sob uma perspectiva histórica, do ambiente espacial e social construído e característico desta coletividade.
O interesse pelo caso do desenvolvimento socioeconômico do Triângulo Mineiro e sua rede urbana ultrapassa as fronteiras regionais e intrínsecas de seu povo. Trata-se de uma situação de relevância mais geral, pois, como pode ser visto, o comportamento dos indicadores socioeconômicos apontam para um notável dinamismo regional e urbano. A particular trajetória histórica do Triângulo Mineiro enquadra-se perfeitamente no rol dos estudos regionais que, em geral, são motivados pela análise de experiências de desempenho quantitativo dos indicadores socioeconômicos. Esta análise, por sua vez, é marcada pela dicotomia prosperidade ou estagnação, apresentada em uma perspectiva histórica comparada. Como pode se depreender, o caso aqui estudado insere-se na primeira vertente, pois reconhecidamente trata-se de um desempenho socioeconômico acima da média estadual e nacional.
De fato, a análise espacial da economia não se ocupa apenas da identificação e caracterização da desigualdade do desenvolvimento. De modo geral, a economia regional se volta ao estudo dos casos de estagnação e decadência econômica, de um lado, e dos casos de progresso ou prosperidade, de outro. Ou como aponta North, “uma teoria do crescimento econômico regional deveria, claramente, concentrar-se nos fatores críticos que promovem ou impedem o desenvolvimento”. Este é, portanto, o grande ponto de partida dos estudos regionais: analisar os casos de prosperidade, decadência, estagnação ou atraso de desenvolvimento econômico de uma área em relação a outras.
Justificada a particularidade deste estudo de caso, os objetivos perseguidos nesta proposta de pesquisa foram resgatar as especificidades e os suportes econômicos e sociais da projeção do espaço regional do Triângulo Mineiro e sua rede urbana no circuito da divisão inter-regional do trabalho e da acumulação de capitais.

Deixe uma resposta