Este livro é o resultado do trabalho de um grupo de profissionais e pesquisadores do campo da preservação documental e patrimonial da humanidade, reunidos remotamente em rede sociotécnica on-line. Por iniciativa do Grupo de Estudos sobre Cultura, Representação e Informação Digitais (CRIDI/UFBA/CNPq), liderado pelos organizadores do livro, esta rede de especialistas debateu, durante aproximadamente um mês, em regime de urgência devido ao curto prazo disponível, utilizando-se de mensagens eletrônicas e telefonemas, sobre aspectos técnico-científicos associados à deposição de uma cápsula do tempo sob o solo – um receptáculo de aço inox contendo cópias de documentos – criada para a cerimônia de lançamento da Pedra Fundamental da construção do novo prédio do Instituto de Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahia (ICI-UFBA).
O primeiro capítulo discute brevemente o papel dos documentos na construção da memória social, indicando que diferentes autores têm se debruçado na relação da linguagem com a construção da identidade, destacando-se que esta se constitui a partir da significação.
No segundo capítulo, plural em sua perspectiva teórica, é apresentado um estudo sobre aspectos interdisciplinares da preservação, nas suas relações com o patrimônio, museologia, memória e cultura, nos trazendo um breve histórico da interdisciplinaridade como base para a discussão de questões fundadoras.
O terceiro capítulo, de fundamento filosófico, trata da temática da repetição e da diferença, entendidas como componentes dos atos do sentido em sua dinâmica dialógica de ordem e desordem, organização e desorganização, aparecimento e desaparecimento, tomando o restauro como campo deflagrador da tendência da vida cultural em reaver seus caminhos já percorridos no passado e já projetados no futuro do presente.
Na sequência, o quarto capítulo considera a possibilidade do movimento da ciência em outras direções ao se admitir o esquecimento e a desorganização como intrínsecos aos métodos e ao funcionamento dos grupos de pesquisa, particularmente quando estamos abertos a abordagens pouco ortodoxas, em grupos plurais, polifônicos, com a vontade de oferecer perspectivas inéditas para o enfrentamento de problemas em crescente complexidade.
No quinto capítulo são abordadas questões relativas à problemática da conscientização de manutenção dos acervos, por meio de uma política que vise, principalmente, à mudança de postura do pessoal ligado às instituições que abrigam coleções.
O sexto capítulo discorre sobre as grandezas físicas da temperatura e da umidade, presentes em quase todas as formas de degradação de acervos. As questões associadas à umidade recebem ênfase especial, mostrando-se a diferença entre umidade relativa e umidade absoluta, a correlação com a temperatura e uma análise de casos práticos como retirada de acervos de salas climatizadas.
Ao descrever aspectos relativos à produção de papéis e a características de tintas usadas em impressão de textos, o sétimo capítulo reúne elementos que nos permitem perceber que, embora considerado material bastante perecível, o papel, sob certos cuidados, poderá ainda ser consultado por várias gerações.
Finalmente, no oitavo capítulo, a partir de um quadro teórico-conceitual relativo às redes sociotécnicas e seu potencial criativo de cooperação para a produção do fato técnico-científico denominado Cápsula do Tempo do ICI-UFBA, buscou-se contextualizar a experiência que propiciou a um grupo de profissionais e pesquisadores atuantes no campo da preservação documental definirem em rede os parâmetros de qualidade relativos aos materiais utilizados.

Deixe uma resposta