As viagens dos navegadores que se aventuraram abaixo da Convergência quando a Antártica ainda não havia sido descoberta. Feitas à custa de sangue e determinação, elas inscreveram no mapa um continente que durante séculos fora apenas uma área gigantesca na imaginação dos europeus.
A Convergência é uma linha que, a cerca de 800 milhas da Antártica, divide o hemisfério sul em duas regiões de climas opostos: de um lado, as terras temperadas do mundo “civilizado”; de outro, o inferno gelado descrito por Dante. Neste livro, Alan Gurney conta as viagens dos navegadores que se aventuraram abaixo da Convergência quando a Antártica ainda não havia sido descoberta e era apenas uma área gigantesca na imaginação dos europeus.
Durante séculos acreditou-se que no Pacífico Sul existia um continente de proporções asiáticas, habitado por milhões de nativos. Em 1768, quando o explorador James Cook zarpou da Inglaterra a bordo do Endeavour, tinha o objetivo de verificar até que ponto essa fantasia correspondia aos fatos. Tudo o que avistou foram algumas ilhas. Se havia ali um continente, era definitivamente bem menor do que se esperava.
Houve centenas de tentativas de atingir a terra mais ao sul do planeta – e o custo das descobertas foi alto. Capitães intrépidos e marujos que muitas vezes não passavam de adolescentes enfrentavam, por exemplo, muralhas de icebergs, tempestades que surgiam do nada, o terrível escorbuto (que dizimava tripulações inteiras) e mesmo o canibalismo de algumas tribos do Pacífico Sul. Feitas à custa de sangue, determinação e valentia, foram viagens que puseram no mapa um lugar fantástico onde hoje há cientistas tomando café em suas bases ao longo da costa e, às vezes, até turistas fotografando pingüins.

Alan Gurney: Ex-projetista de barcos, mora na ilha de Islay, na Escócia. A bordo do Lindblad Explorer, realizou viagens à Antártica e ao Ártico. É autor de The race to the White Continent – Voyages to the Antartic.

Deixe uma resposta