A área de estudos sobre crime e violência no Brasil vem ganhando espaço nos últimos 40 anos.
Importantes pesquisas empíricas somadas à uma reflexão própria da realidade brasileira foram produzidas. Faltava, porém, um livro de referência, à semelhança dos handbooks de tradição anglosaxã, oferecendo um quadro do “estado da arte” dessa área de pesquisas. Crime, polícia e justiça no Brasil mapeia e apresenta as principais abordagens e focos temáticos dos estudos sobre a área no país.
Dessa forma, a obra traz não apenas as principais correntes da literatura internacional, como também incorpora os avanços teóricos e metodológicos produzidos no Brasil.
O livro conta com mais de 80 colaboradores, de diferentes origens e inserções acadêmicas e profissionais (de áreas tão diversas quanto Ciências Sociais, Direito, História, Economia, Administração Pública, Geografia, Psicologia, Medicina e Engenharia). Há uma mescla de pesquisadores seniores pioneiros em suas linhas de pesquisa, a geração de seus herdeiros intelectuais e, ainda, jovens pesquisadores que têm participado ativamente dos debates e oferecido leituras e releituras importantes acerca de alguns dos principais temas do campo de estudos sobre crime, polícia e justiça no Brasil.
Desse modo, os capítulos aqui reunidos permitem ao leitor um panorama privilegiado da multiplicidade de posições, abordagens e aproximações institucionais e disciplinares que configuram e dão dinamismo ao corpus teórico e conceitual de um campo de estudos que tem crescido de forma acentuada nos últimos 15 anos. Novas fronteiras estão bem delimitadas, como aquelas dedicadas pioneiramente ao estudo das prisões, e outras estão ainda em formação, como é o caso dos estudos sobre políticas de segurança pública e políticas sobre drogas.
Na intersecção dessas fronteiras, temas clássicos da criminologia e das ciências sociais, como violência contra mulheres, direitos humanos, discriminação racial, administração da justiça e conflitos sociais ajudaram a guiar as pesquisas e os debates intelectuais da área. Arriscamos dizer que o conjunto de pesquisas oriundas das ciências sociais estaria conformando um campo de estudos sobre “segurança pública e sociedade”.

Deixe uma resposta