Julianna Malerba (Org.) – Diferentes Formas De Dizer Não

Posted on Posted in Ciências Sociais, Ecologia, Economia

Em Diferentes formas de dizer não, os cinco autores escolhidos para participar da coletânea de artigos analisam os impactos socioambientais do extrativismo mineral e os movimentos de oposição a ele em seis países: Argentina, Peru, Costa Rica, Equador, EUA e Filipinas. Segundo os autores, esses locais foram escolhidos por representarem bem os processos que resultaram em Áreas Livres de Mineração, em que os movimentos de resistência se mostraram expressivos a ponto de conseguir restringir a atividade, evitando violações de direitos e danos ao meio ambiente.
Na Argentina, por exemplo, grupos que se opunham à expansão da extração mineral, tornada possível por mudanças em seu marco regulatório, conseguiram referendar inúmeras leis municipais que proibiram a mineração de metalífera. No Peru, protestos denunciavam as ameaças trazidas pela atividade à agricultura, e a militarização das áreas de mineração resultou em conflitos violentos entre as comunidades, as empresas e as forças armadas do Estado, levando apoiadores externos a se envolverem na questão e conquistarem a cassação dos direitos de exploração.
Belamente ilustrado por Martha Werneck, Diferentes formas de dizer não dedica ao menos um capítulo a cada país analisado, contando ainda com anexos que abordam a situação na Austrália e na Nigéria. Além disso, na apresentação do livro, Julianna Malerba, organizadora da obra, aborda os problemas relacionados à expansão da mineração vivida pelo Brasil nos últimos dez anos, salientando o privilégio dado pelo Estado à atividade, em detrimento de outras cujo exercício é igualmente defendido na Constituição Federal, como a reforma agrária.
A pesquisa foi realizada, essencialmente, a partir de fontes secundárias – em função de restrições de tempo e recursos, mas se beneficiou, entretanto, de atividades de campo previamente realizadas por alguns dos autores, como nos casos da Argentina e do Peru.
Dessa maneira, estabeleceu-se uma forma de comparabilidade entre casos de oposição local às atividades extrativas minerais (particularmente, de grande porte) que configuraram processos sociais mais amplos (em escalas regional e/ou nacional) de pressão por institucionalização de formas de restrição e proibição ao extrativismo mineral.

Deixe uma resposta