Nesta era de globalização, o desenvolvimento e crescimento de muitos países dependerão de suas economias agrícolas e isto, por sua vez, se relaciona com o desempenho de seus serviços veterinários oficiais. Embora os serviços veterinários oficiais devam operar baseados em princípios científicos e independentemente de qualquer tipo de influência política dos usuários, seu fortalecimento é uma responsabilidade compartilhada que requer a inversão e a participação tanto do setor público como privado. A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) uniram esforços para preparar o instrumento de Desempenho, Visão e Estratégia (DVE). O instrumento DVE pode ajudar aos países a estabelecer seu nível de desempenho, a compartilhar uma visão com o setor privado, a estabelecer prioridades e a facilitar o planejamento estratégico com o fim de cumprir com suas obrigações e aproveitar as novas oportunidades.
A OIE promove a segurança sanitária dos intercâmbios internacionais de animais e produtos de origem animal mediante a emissão de diretrizes sanitárias harmonizadas para a certificação internacional e para os métodos de controle de doenças, que permitam melhorar o marco jurídico e os recursos dos serviços veterinários.
Do mesmo modo, o IICA assiste aos países no fortalecimento de seus serviços veterinários, com o intuito de que possam ser mais eficientes e ter mais competitividade nos mercados nacionais e internacionais e contribuir para a proteção da saúde dos consumidores. Ambas as organizações dividem o interesse de apoiar os países no cumprimento efetivo do Acordo sobre a Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (MSF) da Organização Mundial do Comércio (OMC) e das normas, diretrizes e recomendações da OIE.
Tradicionalmente, a missão geral dos serviços veterinários oficiais foi proteger a agricultura familiar, e os recursos se canalizaram principalmente no enfoque do controle de pragas e doenças que poderiam prejudicar a produção primária. No passado, os programas dos serviços veterinários nacionais começaram nas fronteiras e se enfocavam para o interior. A credibilidade dos serviços veterinários frente aos seus usuários e outros países girou em torno da eficácia dos programas domésticos e das ações de resposta a emergências devido à entrada de agentes não esperados.
Hoje em dia, para abordar as crescentes demandas mundiais, os serviços veterinários nacionais devem assumir um mandato mais amplo e ter uma visão mais global. Os países terão que incorporar novos serviços que complementarão os serviços tradicionais. Isto irá requerer alianças mais fortes e maiores ações de cooperação com os usuários, outros ministérios e instituições estatais. O acordo OMC/MSF reafirma o direito dos países membros de proteger a sanidade vegetal e a saúde das pessoas e animais.

Deixe uma resposta