O livro analisa a revista Gil Blas, fundada por Álvaro Bomilcar e Alcebiades Delamare em 1919, no Rio de Janeiro, e cuja importância histórica reside principalmente no extremado nacionalismo de sua linha editorial.
A pesquisa de Carlos Gustavo, que contou com o apoio da Fapesp, seguiu essa trilha metodológica, que lhe permitiu distinguir consideráveis diferenças na trajetória de Gil Blas.
Em quatro anos, foram publicadas 164 edições da revista, que passou por várias fases, caracterizadas por propostas nacionalistas diversas, as quais imprimiram um caráter bastante dinâmico a seus objetivos.
A publicação alcançou tamanha relevância em sua época que chegou a servir como porta voz do governo Epitácio Pessoa (1919-1923) e a reunir o que se tornaria o arcabouço das várias concepções nacionalistas que vigorariam ao longo da década de 1920. O objetivo deste trabalho foi, principalmente, distinguir os projetos defendidos nas páginas da revista Gil Blas e, ainda, esclarecer se havia consonância entre seu ecletismo e seu posicionamento político e doutrinário.
Revista Gil Blas E O Nacionalismo De Combate abre-se com a análise das características da publicação e do lugar que ocupou na história da imprensa brasileira e, em seguida, dá a conhecer a sinuosa trajetória de Gil Blas, perscrutada ao longo de cada um dos capítulos. O leitor é conduzido pelos complexos meandros do nacionalismo do final dos anos 1910 e início da década seguinte. Revista Gil Blas E O Nacionalismo De Combate constitui-se numa importante contribuição, tanto para o estudo da imprensa quanto para a compreensão do discurso sobre nacional urdido no contexto do pós-Primeira Guerra Mundial.
O autor também se debruça sobre o projeto temático-editorial da revista Gil Blas, que continha grande diversidade de seções e artigos, cobrindo as mais diferentes áreas, de esporte e literatura a política, passando pelas questões relativas ao operariado, quase sempre com viés nacionalista que beirava a xenofobia.

Carlos Gustavo Nóbrega de Jesus é doutor em História pela Unesp e especializado em História do Brasil, nacionalismo, história contemporânea, neonazismo e antissemitismo.

Deixe uma resposta