Em Outubro de 2003, tiveram lugar na Universidade da Beira Interior, no âmbito das actividades do Instituto de Filosofia Prática, umas jornadas dedicadas ao Pensamento de Niklas Luhmann. Para além de académicos portugueses, vindos de várias universidades do país, esteve ainda presente um convidado alemão, professor de teoria sociológica em Bielefeld e ex-assistente de Luhmann. O objectivo do encontro foi de reunir os investigadores portugueses que, por diferentes motivos, se interessaram pela obra de Luhmann, confrontar interpretações e avaliar a utilidade actual, em diversas áreas disciplinares, das categorias e instrumentos teóricos desenvolvidos pelo sociólogo alemão. Com efeito, a obra de Luhmann, pela sua amplitude, multiplicidade de objectos estudados e, sobretudo, universalidade metodológica e categorial da teoria elaborada, tem incidências em praticamente todas as disciplinas das ciências sociais e humanas, muito para além, portanto, da sociologia. A obra de Luhmann exige do receptor uma prática da interdisciplinaridade a um nível de reflexão teórica extremamente elevado, para além de uma cultura científica enciclopédica em praticamente todas as disciplinas das ciências sociais e humanas, sem esquecer a filosofia. A diversidade das áreas de investigação representadas neste encontro – sociologia, filosofia, musicologia, direito, ciências da comunicação – foi bem o espelho desta faceta da obra luhmanniana.
A presente colectânea de estudos sobre o Pensamento de Niklas Luhmann teve a sua origem nessas Jornadas, reunindo não apenas simples “actas” das comunicações apresentadas, mas estudos mais extensos, completos e elaborados, relativamente aos quais essas comunicações apenas foram pontos de partida. Para arredondar o volume foram acrescentados, numa primeira parte, em tradução portuguesa, dois artigos de Luhmann do fim dos anos 60, ou seja da primeira fase da obra do mestre de Bielefeld.
Nascido em 1927 em Lüneburg, Niklas Luhmann produziu, a partir de meados dos anos 60 até à sua morte, em 1998, uma obra que, pela sua dimensão, pluralidade temática e, sobretudo, colossal ambição teórica, se tornou uma referência incontornável muito para além das fronteiras académicas habituais da sociologia.

Deixe uma resposta