A obra apresenta as experiências realizadas por Piaget, e objetiva analisar aspectos do desenvolvimento lógico da criança e do adolescente. A introdução tece considerações sobre o construtivismo e as diretrizes da educação fundamentada nesta teoria. Depois são analisados os estágios de desenvolvimento do aluno, distinguindo-se a evolução do pensamento lógico e da afetividade.
Para compreender o sistema proposto e organizado por Jean Piaget, parece-nos indispensável fazer referência aos fundamentos de sua teoria.
O longo período durante o qual Piaget desenvolveu seus estudo – cerca de 60 anos – nos leva a buscar na sua biografia e na bibliografia por ele produzida as origens de suas conclusões, bem como a variação de seus interesses de pesquisa e de sua metodologia.
Na primeira parte deste livro, procuramos fazer este percurso, na tentativa de facilitar ao estudante a compreensão de uma das teorias mais úteis pra o psicólogo e o educador.
Em seguida, apresentamos uma breve referência às produções bibliográfica, realçando a variação de interesses e metodologia contida nos trabalhos publicados por ele.
O sistema piagetiano tem recebido inúmeras designações; epistemológico genético, estruturalista, interacionista, construtivista dialético, cognitista.
A questão que desde o início Piaget se colocou foi: Como tem origem e como evolui o conhecimento?
Trata-se de uma pergunta de caráter filosófico, que direcionou todos os anos de pesquisa empreendida por Piaget e que mereceu dele abordagem própria de um ramo da teoria do conhecimento, denominado Epistemologia.
Para Piaget, a Epistemologia compreende “o estudo da constituição dos conhecimentos válidos”. Ele foi o criador de um ramo da Epistemologia que denominou Epistemologia Genética e que constituí uma forma de reflexão teórica, no interior das ciências, que estuda as passagens do conhecimentos “menos estruturados” a estados de conhecimentos “mais estruturados”.
A Epistemologia Genética usa uma abordagem que consiste em procura compreender o desenvolvimento do conhecimento desde o momento em que a pessoa nasce até o momento em que é capaz de um raciocínio complexo, próprio do filósofo ou do cientista.

Deixe uma resposta