Virgínia Pereira Da Silva De Ávila – História Do Ensino Primário Rural Em São Paulo E Santa Catarina (1921-1952)

Posted on Posted in Educação, História

Este livro trata de temática original, isto é, a história do ensino primário rural no Brasil, no período de 1921 a 1952, caracterizado por significativa expansão e importantes políticas públicas para o setor. A educação rural, contrastante de muitas formas à escola urbana, foi um elemento fundamental na expansão da escola pública que se tornou nos últimos dois séculos componentes de sustentação da democracia moderna.
De fato, desde o final do século XVIII, a defesa da educação pública consubstanciada na ideia de uma escola primária única, universal, gratuita e sob a supervisão estatal tornou-se uma ideia força, arraigada nos projetos políticos e socioculturais de modernização e transformação da sociedade. Desde então, em todo o Ocidente, a escola primária foi concebida como uma escola popular por excelência, correspondendo ao nível de escolarização a ser disseminado universalmente para todas as camadas sociais atingindo principalmente a população infantil.
A mundialização da escola e a constituição dos sistemas nacionais de ensino são fenômenos reveladores dessa centralidade social da escola elementar. A partir do século XIX, por toda parte, os Estados assumiram uma política de intenção clara em relação à instrução pública e não o fizeram somente animados pelo pensamento de políticos, filósofos, publicistas e pedagogos, mas também induzidos por exigências políticas – a necessidade de educar o povo soberano, o povo eleitor, possuidores de direitos e deveres –, por exigências de sobrevivência econômica do Estado (formação de mão-de-obra qualificada, disseminação de códigos culturais da modernidade), por necessidades morais (regeneração social e moralidade pública), por questões nacionais (a construção da nacionalidade) e necessidades sociais (reforma social, promoção do desenvolvimento e do progresso). Em vários países, educadores e intelectuais viram na escola a possibilidade de desenvolver atitudes e valores comuns considerados essenciais para uma sociedade na qual mais setores da população irrompiam na vida social. Além de civilizar e moralizar o povo, a escola primária tornou-se locus de difusão saberes, noções científicas, códigos, condutas e valores considerados modernos. Por isso, a sua história guarda uma relação intrínseca com a história cultural da sociedade.

  

Deixe uma resposta