Norberto Bobbio – A Teoria Das Formas De Governo

Posted on Posted in Ciências Sociais, Direito, Filosofia

Este livro não é propriamente um livro. É uma série de aulas de filosofia política ministradas na Faculdade de Ciências Políticas da Universidade de Turim no ano letivo de 1975/76. Após ter ensinado filosofia do direito durante muitos anos, em 1972 decidi passar ao ensino da filosofia política, cadeira criada há poucos anos pela reforma das Faculdades de Ciências Políticas. O fato de eu ter deixado a matéria que ensinara por mais de trinta anos, quando já havia quase chegado ao final da carreira (que se encerrou em 1979), requer uma rápida explicação.
Em 1972, meu velho amigo, Alessandro Passerin D’Entrèyes, que poucos anos antes havia inaugurado a primeira cátedra de filosofia política, entrara em gozo de licença, e convidou-me para sucedê-lo. Não hesitei nem um pouco e aceitei: ambos tínhamos sido alunos, ele alguns anos antes de mim, do mesmo mestre, Gioele Solari, que, com a história das doutrinas políticas, iniciara na Itália um ciclo de estudos conduzidos mediante rigoroso método histórico e com forte inspiração filosófica. A maior parte dos escritos de Solari foram reunidos em dois volumes sob a responsabilidade de outro de seus alunos, Luigi Firpo: La Filosofia Política, vol. I: Da Campanella a Rousseau, e vol. II: Da Kant a Comte. Ao aceitar o convite, contribuiria para dar continuidade a uma tradição que não merecia ser interrompida.
Devo acrescentar que estávamos em meados de 68, ano dos protestos juvenis, que foram particularmente mais inflamados na Itália. A Universidade italiana (embora não apenas a italiana) mostrara-se politizada- e mal politizada – sobretudo nas Faculdades de Ciências Humanas.
Politizada no sentido de que a revolta dos estudantes (porque se tratou realmente de uma revolta) ocorrera sob o lema “Tudo é Política” ou, inversamente, mas com o mesmo efeito, “A Política é Tudo”. Mal politizada no sentido de que a revolta contra o poder acadêmico, que também podia ter suas razões, muitas vezes transformou-se em revolta contra a seriedade dos estudos, contra a pesquisa levada a efeito com rigor, contra a cultura do passado em nome da atualidade, na exaltação do mais desenfreado tendenciosismo, da leviandade, da improvisação; na substituição do discurso fundamentado e documentado pelo palavreado oco.

Deixe uma resposta