A epopéia narrada neste livro, por numerosos e eminentes expositores, bem mostra que não há limites para Carlos Alberto Dias ao se impor ou aceitar desafios. Falam, a favor desta assertiva, as experiências vividas com a implantação de instituições pioneiras de ensino e pesquisa em Geociências na Universidade Federal da Bahia (1969), Universidade Federal do Pará (1972 e 1986) e Universidade Estadual do Norte Fluminense (1994). Por se encontrarem fora dos centros mais desenvolvidos do País, exigiram muita criatividade, pertinácia e persuasão para que fossem reconhecidas como inovadoras e de grande potencial. E foram, não há dúvidas, traços da personalidade do Prof. Carlos Alberto Dias, marcados pela obstinação, perseverança, inquietude, visão de futuro e intransigência na defesa de princípios e ideais, que sustentaram o sucesso incontestável daqueles empreendimentos acadêmicos. Rejeitado, por questões ideológicas, pela administração da UFPA em 1968, o projeto concebido desde 1962 por Carlos Alberto Dias em parceria com o Prof. José Maria F. Bassalo, também do Pará, teve seu início pela UFBA, onde encontrou boa acolhida. Mas já em 1972, o projeto amazônico se implantava.
O legado de Carlos Alberto Dias à UFPA é muito expressivo, compreendendo: a criação do Núcleo de Ciências Geofísicas e Geológicas em 1972, que foi o embrião do atual Instituto de Geociências, hoje uma sólida instituição, com cursos de mestrado e doutorado em Geologia – Geoquímica – Petrologia, mestrado e doutorado em Geofísica, e mestrado em Ciências Ambientais, o primeiro avaliado com conceito 6 pela CAPES, situado entre os melhores do País, nessa área; a elaboração do estudo que serviu de base à criação da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP), órgão voltado à captação de recursos financeiros e de gerenciamento de projetos de pesquisa de interesse da UFPA e de outras instituições do Estado do Pará e da região amazônica; e a criação do Núcleo de Pesquisas em Geofísica do Petróleo em 1986, através de parceria da UFPA com a PETROBRAS e apoio financeiro expressivo do CNPq e da FINEP.

Deixe uma resposta