Notre héritage n’est precede d’aucun testament – “Nossa herança nos foi deixada sem nenhum testamento”. Talvez esse seja o mais estranho dentre os aforismos estranhamente abruptos em que o poeta e escritor francês René Char condensou a essência do que vieram a significar quatro anos na Resistance para toda uma geração de escritores e homens de letras europeus.
O colapso da França, acontecimento totalmente inesperado para eles, esvaziara, de um dia para outro, o cenário político do país, abandonando-o às palhaçadas de patifes ou idiotas; e eles, a quem nunca ocorrera tomar parte nos negócios oficiais da Terceira República, viram-se sugados para a política como que pela força de um vácuo. Desse modo, sem pressenti-lo e provavelmente contra suas inclinações conscientes, vieram a constituir, quer o quisessem ou não, um domínio público onde – sem a parafernália da burocracia e ocultos dos olhos de amigos e inimigos – levou-se a cabo, em feitos e em palavras, cada negócio relevante para os problemas do país.
Isso não durou muito. Após alguns curtos anos, foram liberados do que originalmente haviam pensado ser um “fardo” e arremessados de volta àquilo que agora sabiam ser a leviana irrelevância de seus afazeres pessoais, sendo mais uma vez separados do “mundo da realidade” por uma épaisseur triste, a “opacidade triste” de uma vida particular centrada apenas em si mesma. E, se se recusavam a “voltar às [suas] verdadeiras origens, a [seu] miserável comportamento”, nada lhes restava senão retornar à velha e vazia peleja de ideologias antagônicas que, após a derrota do inimigo comum, de novo ocupavam a arena política, cindindo os antigos companheiros de armas em grupelhos sem conta, que não chegavam sequer a constituir facções, e alistando-os nas intermináveis polêmicas de uma guerra de papel. Aquilo que Char previra e antecipara lucidamente enquanto a luta real ainda prosseguia – “Se sobreviver, sei que terei de romper com o aroma desses anos essenciais, de rejeitar silenciosamente (não reprimir) meu tesouro” – acontecera. Eles haviam perdido seu tesouro.

Deixe uma resposta