Alfredo Ferrarin – Ensaios Sobre Kant E A Imaginação

Posted on Posted in Filosofia

Primeira tradução para o português de três ensaios seminais de Alfredo Ferrarin sobre o tópico, árduo e longamente debatido, da imaginação na filosofia crítica de Kant. Trata-se de etapas ideais de um longo caminho de pesquisa que Ferrarin está conduzindo há mais de duas décadas, entre EUA e Itália, sobre a filosofia de Kant e, em particular, sobre o conceito de imaginação.
A culminação desse caminho, que já se concretizou, em 2015, com a publicação de um importante volume, inteiramente dedicado ao problema da razão como síntese a priori em Kant, será a publicação do livro Kant on Imagination, que provavelmente estará pronto em 2018.
O autor italiano, cuja pesquisa está certamente num patamar de excelência internacionalmente reconhecida, aborda um tema extremamente complexo e ramificado com uma atitude de rara fineza, que consegue colocar em sinergia uma extraordinária competência de investigação histórico-filosófica e uma acentuada capacidade de questionamento teórico, de modo a não cair nem no risco de uma especulação anacrônica sobre Kant, nem na tentação de limitar-se a prestar um ato de reverência ao ‘monstro sagrado’ do mesmo filósofo. A maneira na qual os dois níveis de análise se equilibram e se fortalecem reciprocamente nos presentes ensaios é uma marca distintiva do estilo de pesquisa que Ferrarin levou e continua a levar adiante em seus livros magistrais sobre as filosofias de Hegel e de Kant, bem como em dezenas de artigos sobre os problemas de filosofia teórica e prática que perpassam a história da filosofia, desde a especulação clássica de Platão e Aristóteles até a crise contemporânea da racionalidade.
No presente volume, propõe-se aos leitores o seguinte percurso: em primeiro lugar, coloca-se o pano de fundo histórico da questão da imaginação em Kant; em segundo lugar, avança-se para a investigação de um aspecto específico e pouco explorado do problema, ou seja, o funcionamento da imaginação na síntese a priori da razão pura prática; em terceiro lugar, conclui-se com uma visão panorâmica e com a formulação de uma tese abrangente sobre a função que o conceito de imaginação desempenha na filosofia crítica de Kant.

Deixe uma resposta